27 de abril de 2011

Mistificação

Anda por aí gente a utilizar este gráfico para induzir a malta a pensar que foram os governos do PSD a aumentar o endividamento público.
Trata-se de uma mera mistificação.
De facto, neste gráfico, a "dívida pública" não integra contas fundamentais - e "pesadas" - como são os casos das PPP, das dívidas das empresas públicas e por aí fora.
Mas é uma pena o gráfico não ser o correcto. Queria dizer que estávamos com um endividamento de menos de 50% do PIB !!! Uma miragem...

25 de abril de 2011

Para que tem dúvidas

Saneado

Este triste, que queria pedir ajuda logo em Outubro quando os juros chegaram ao 7%, e que conseguiu levar a dele por diante, não podia ter outro destino: FORA!
Pois é, quem se mete com o PS, leva...

23 de abril de 2011

Os factos condenam Sócrates

  1. Temos a segunda maior vaga de emigração dos últimos 160 anos. Temos a segunda maior fuga de cérebros de toda a OCDE. Há maior fracasso que este? Mas é inacreditável o silêncio dos media em relação a esta fuga em massa de portugueses. Parece que é tabu. Nós estamos a emigrar como nos anos 60, mas não se fala disso.
  2. Na última década, Portugal teve o pior crescimento económico dos últimos 90 anos.
  3. Temos a pior dívida pública (em % do PIB) dos últimos 160 anos. A dívida pública este ano vai rondar os 100% do PIB. E esta dívida pública sem precedentes não inclui os 60 mil milhões de euros das PPPs (35% do PIB adicionais), que foram utilizadas pelo PS para fazer obra (auto-estradas, hospitais, etc.) enquanto se adiava o seu pagamento para os próximos governos e as gerações futuras. As escolas também foram construídas a crédito.
  4. Temos a pior taxa de desemprego dos últimos 90 anos (desde que há registos). Em 2005, a taxa de desemprego era de 6,6%. Em 2011, a taxa de desemprego chegou aos 11,1% e continua a aumentar.
  5. Temos a maior dívida externa dos últimos 120 anos, e nossa dívida externa bruta é quase 8 vezes maior do que as nossas exportações.
  6. A nossa dívida externa bruta em 1995 era inferior a 40% do PIB. Hoje é de 230% do PIB. As dívidas das famílias são cerca de 100% do PIB e 135% do rendimento disponível.
  7. Cerca de 50% de todo endividamento nacional deve-se, directa ou indirectamente, ao nosso Estado

E ainda há cerca de um terço de eleitores que ignoram isto. Chiça!

17 de abril de 2011

14 de abril de 2011

Devia dar prisão

Parcerias Público-Privadas vão custar 59,6 mil milhões e demorar 40 anos a pagar

Já agora, contando as parcerias, dá:

- Cavaco Silva - 2

- António Guterres - 30

- Durão Barroso - 6

- José Sócrates - 50

6 de abril de 2011

3 de abril de 2011

A culpa

Este texto, vindo por email, tem de ficar aqui.

A culpa


A culpa de não haver PEC 4 é do PSD e do CDS.


A culpa de haver portagens nas Scuts é do PSD que viabilizou o PEC 3.


A culpa do PEC 3 é do PEC 2. Que, por sua vez, tem culpa do PEC 1.


Chegados a este, a culpa é da situação internacional. E da Grécia e da Irlanda. E antes destas culpas todas, a culpa continua a ser dos Governos PSD/CDS. Aliás, nos últimos 16 anos, a culpa é apenas dos 3 anos de governação não socialista.


A culpa é do Presidente da República. A culpa é da Chanceler. A culpa é de Trichet. A culpa é da Madeira.


A culpa é do FMI. A culpa é do euro. A culpa é dos mercados. Excepto do "mercado" Magalhães. A culpa é do ‘rating'. A culpa é dos especuladores que nos emprestam dinheiro. A culpa até chegou a ser das receitas extraordinárias. À falta de outra culpa, a culpa é de os Orçamentos e PEC serem obrigatórios.


A culpa é da agricultura. A culpa é do nemátodo do pinho. A culpa é dos professores. A culpa é dos pais. A culpa é dos exames. A culpa é dos submarinos. A culpa é do TGV espanhol. A culpa é da conjuntura. A culpa é da estrutura. A culpa é do computador que entupiu. A culpa é da ‘pen'. A culpa é do funcionário do Powerpoint. A culpa é do Director-Geral. A culpa é da errata, porque nunca há errata na culpa. A culpa é das estatísticas. Umas vezes, a culpa é do INE, outras do Eurostat, outras ainda do FMI. A culpa é de uma qualquer independente universidade. E, agora em versão pós Constâncio, a culpa também já é do Banco de Portugal.


A culpa é dos jornalistas que fazem perguntas. A culpa é dos deputados que questionam. A culpa é das Comissões parlamentares que investigam. A culpa é dos que estudam os assuntos.


A culpa é do excesso de pensionistas. A culpa é dos desempregados. A culpa é dos doentes. A culpa é dos contribuintes. A culpa é dos pobres. A culpa é das empresas, excepto as ungidas pelo regime. A culpa é da meteorologia.


A culpa é do petróleo que sobe. A culpa é do petróleo que desce.


A culpa é da insensibilidade. Dos outros. A culpa é da arrogância. Dos outros. A culpa é da incompreensão. Dos outros. A culpa é da vertigem do poder. Dos outros. A culpa é da demagogia. Dos outros. A culpa é do pessimismo. Dos outros.


A culpa é do passado. A culpa é do futuro. A culpa é da verdade. A culpa é da realidade. A culpa é das notícias. A culpa é da esquerda. A culpa é da direita. A culpa é da rua. A culpa é do complexo de culpa. A culpa é da ética.


Há sempre "novas oportunidades" para as culpas (dos outros). Imagine-se, até que, há tempos, o atraso para assistir a uma ópera, foi culpa do PM de Cabo-Verde.


No fim, a culpa é dos eleitores, que não deram a maioria absoluta ao imaculado.


A culpa é da democracia. A culpa é de Portugal. De todos. Só ele (e seus pajens) não têm culpa. Povo ingrato! Basta! Na passada quarta-feira, a culpa... já foi.



António Bagão Félix, Economista 28/03/2011

O GPS que não funciona

1 de abril de 2011

Défice record










Fixem bem esta cara
Este é o ministro das finanças que mais tempo desempenhou funções. Foi sob a orientação deste homem que a nossa dívida pública subiu até quase 100% do PIB, e o nosso défice atingiu um valor record. Só durante o ano de 2010, a dívida foi crescendo ao ritmo de 1,7 milhões de euros por hora.

Mas não foi sozinho que nos desgraçou.


Fê-lo sob as ordens deste outro tipo.


O mestre da mentira, da manipulação e da mistificação.