31 de dezembro de 2006

Bom Ano Novo


(os votos repetem-se)

Barbaridade desculpável


Eles não tinham intenção de matar. Até telefonaram a avisar. Eles só querem DIÁLOGO. E, como dizem Freitas, Soares e Zapatero, é preciso dialogar...

Janeiras


Fui hoje brindado pela AMA - Associação Mangualde Azurara que me veio cantar as Janeiras, promessa que se vai fazendo de um ano para o outro. Um bela tradição que até vai ajudando à construção da sede.

Votos de um bom ano para todos os da AMA e para TODOS os que por aqui vão passando.

30 de dezembro de 2006

28 de dezembro de 2006

Adiar o parto

Sabia que se podia antecipar. Agora adiar...
Mas se se pode... e com aquelas vantagens...

A reter:
"... a natalidade alemã situa-se em 1,3 filhos por mulher, um valor abaixo da taxa ideal atribuída às sociedades industrializadas, que é de 2,4"
Segundo o INE, em Portugal é de 1,42 !

27 de dezembro de 2006

Viseu

Bem bonitos estes "espanta-crise"

CTT

Os trabalhadores dos CTT, que amanhã vão entrar em greve, são representados por 13 sindicatos.
Há coisas fantásticas, não há?

25 de dezembro de 2006

Presente

Aos meus amigos e visitantes - homens - vou dando prendinhas durante o ano. Às senhoras é mais raro...
Mas hoje é um dia especial. É dia de Natal. E, de resto, elas bem merecem.
Por isso lhes dedico esta rosinha que está no ponto que mais gosto: a desabrochar.

21 de dezembro de 2006

Não há presos políticos...

... o que há é políticos presos.


Eu nem consigo dizer nada sobre isto. Será que o amigo de Chávez consegue?

Lembrei-me agora duma coisa: em Guntánamo, que até é pertinho da Venezuela, também não os há?

17 de dezembro de 2006

... e empresarialização da Secundária

Pelo menos é o que diz O SOL.

Então vejamos:
Educação Básica - Municipalização
Educação Secundária - Empresarialização
Educação Superior - Fundação

Isto deve ser muito chato para quem votou PS, não?

16 de dezembro de 2006

Municipalização da Educação Básica?

Em entrevista ao DN, disse o Ministro António Costa:

Porque é que o Governo quer pôr as câmaras a gerir a saúde, a educação e a acção social?
São áreas onde a proximidade do poder local lhe dá condições para realizar estas políticas de uma forma mais eficaz do que o Estado.
Isto significa pôr as câmaras a escolher os professores do ensino básico?
Significa que, do pré-escolar ao final do básico, deve progressivamente ser assumida pelas autarquias a responsabilidade, que já têm ao nível das instalações do primeiro ciclo e do pré-escolar. Devem estender-se ao segundo e ao terceiro ciclo relativamente à gestão e à componente dos recursos humanos. Esta é uma matéria que se deve discutir com as autarquias e com os sindicatos.
...
Na transferência de competências ao nível das escolas, qual será a situação dos professores?
O que está definido actualmente na lei é só atribuir aos municípios competências ao nível dos recursos humanos não docentes. A ministra da Educação já admitiu expressamente que possamos avançar mais ao nível do pré-escolar e do primeiro ciclo. É um tema que não deve ser tabu: discutir se a transferência de competências ao nível do pessoal deve ser restringido ao pessoal não docente ou se se deve alargar ao pessoal docente. Não temos uma posição fechada. Achamos que a devemos discutir com os municípios e com os sindicatos.
Quais são as vantagens?
É o modelo habitualmente utilizado nos países da União Europeia.
...


E digo eu:
Com uma vantagem destas, não é de hesitar. Mas prepare-se para "a" bronca.

15 de dezembro de 2006

Agora é que vai ser


Com esta aura de incorruptível, não nos vai desiludir.

Ou será que vamos ter mais um folhetim ao estilo casapiano?

13 de dezembro de 2006

Quem é que...




... não fica a gostar (ainda) mais dos desportos motorizados?

Imaginem lá um banhinho perfumado depois de ter andado todo o dia a domar os cavalos, sempre aos saltos, por terrenos escorregadios, dunas pronunciadas e curvas apertadas...
Hem?


(na Sábado)

12 de dezembro de 2006

ESPAP

O Governo continua a concretizar o seu plano para a criação dos 150.000 novos empregos.

Ora aqui está mais uma medida de mestre: ESPAP - Empresa de Serviços Partilhados da Administração Pública.
Uma empresa pública que poderá criar várias outras empresas públicas para gerir funcionários públicos. Uma medida absolutamente inovadora. É o verdadeiro emprego criativo!

Já viram bem a quantidade de pessoas que vai conseguir encontrar um lugarzinho na administração desta(s) empresa(s) pública(s)?

11 de dezembro de 2006

Sobredotado


Talvez tenha sido dos tratamentos a que se submeteu para tratar o joelho, mas o que é certo é que o rapaz ficou com uma língua... Até à ponta do queixo! Porra!
Eu bem que estive a ver até onde ia a minha, mas... nem perto!

8 de dezembro de 2006

19-norandrosterona

Isto é muito giro.
A Procuradoria diz que a Federação de Futebol tem de reavaliar o caso de doping arquivado pelo Conselho de Justiça, mas a FPF diz que não o pode fazer porque, de acordo com os seus estatutos, está obrigada a respeitar as deliberações do "seu" Conselho de Justiça.
E diz mais. Diz que a retirada do estatuto de utilidade pública apenas estaria em causa se se tratasse de um caso muito grave. Sim, que este não passa de simples e corriqueiro caso de droga. Ainda se fosse coisa grave...
Justiça e futebol à portuguesa!

Ah! Não consigo deixar de aqui repetir esta "pérola" do CJ:

“apenas com o resultado da análise o arguido não podia ser punido” ... “é necessário que o acusador alegue e prove que o arguido ministrou ou de qualquer outra forma voluntária introduziu no seu organismo a substância que veio a verificar-se estar no seu corpo”. Argumentos contrários aos de vários acórdãos proferidos anteriormente pelo CJ, em casos de jogadores de clubes mais pequenos, como Rui Lopes (ex-Vitória de Setúbal) e Kali (ex-Barreirense).

"Infame", disse ele




Mas este tipos da ERC não são nomeados pelo Governo ou coisa assim?

7 de dezembro de 2006

A escola promotora da desigualdade

Ando há muitos anos a dizer que a Escola de hoje é muito mais elitista que nos tempos em lá andei.
E nem é preciso fazer um estudo como aquele de que o Público dá notícia. Nem sequer é preciso ir para uma grande cidade comparar "sucessos" de alunos de diferentes escolas. Não é necessário. Até porque o facto de frequentarem escolas diferentes - logo com distintos ethos - pode enviesar os resultados. Por isso me parece que a promoção da desigualdade deve ser estudada "dentro" de cada escola.
Numa pequena cidade como a minha, em que, ao nível do secundário, apenas há uma escola, também se verifica este fenómeno ou não? Isto é, o problema é "das" escolas ou é "do" sistema educativo?
Ora, basta olhar para os Quadros de Excelência que, ano após ano, vou colocando na parede do gabinete, para reparar que, entre aqueles poucos alunos que atingem médias acima de 18 valores, raro é o jovem que provém de estratos socio-económicos baixos. E será que a escola lhes dispensou um tratamento privilegiado? Claramente que não.

Não tive oportunidade de ler o estudo. Apenas li a notícia. Contudo, pelo que li, parece-me que os autores insistem rigorosamente nos conceitos cuja defesa, paulatinamente, veio a produzir exactamente os efeitos contrários aos pretendidos.
À força de pretender que a Escola atenuasse as diferenças sociais de base, que igualizasse, decretou-se o direito à igualdade de sucesso.
Pois muito bem. Mas...

O sucesso (dos alunos) é um conceito absoluto? Isto é, o que é sucesso para um determinado jovem, é-o para todos os jovens?

Pois...

Eu sabia...

... que havia uma razão forte

5 de dezembro de 2006

Ainda o Lego

Provavelmente, todos conhecem as famosas estruturas impossíveis desenhadas por Maurits Cornelis Escher.
Pois há dois senhores, Andrew Lipson e Daniel Shiu que construíram, com Lego, algumas dessas estruturas “inconstruíveis”, as quais, quando fotografadas de determinado ângulo, parecem materializar as utopias de Escher. Ficam aqui estes:

"Ascending and Descending"

"Belvedere"

"Relativity"

3 de dezembro de 2006

Hobby

É este o do meu filho. Um quintanista que ainda "brinca" com Lego.

Mas há muitos mais, mesmo em Portugal, assim "alienados". Parece que há mais de 1 milhão de tipos que fazem MOC's (My Own Creation).
(Esta "réplica" da Demag TC 2800 ainda não está concluída)

2 de dezembro de 2006

1 de dezembro de 2006

Restauração

Tenho ouvido alguns historiadores dizer que a dominação dos Filipes se caracterizou por ser um período de considerável progresso de Portugal.
A mim sempre me ensinaram o contrário.
Sempre me disseram que foram 60 anos em que vivemos subjugados pelos espanhóis e que, por isso, foi com grande entusiasmo que o povo viveu o dia 1 de Dezembro de 1640, dia em foi heroicamente restaurada a nossa independência.
Não sendo historiador e baseando-me tão só no percurso que fizemos desde então, estou tentado a dizer que não terá sido assim. Não terá havido um assim tão grande entusiasmo.
Tenho para mim que apenas saiu beneficiada a classe que ascende ao poder, aquela que estava apeada e privada das mordomias. Para o português anónimo não terá havido qualquer vantagem.
Bom, a não ser aquele tal valor sentimental do patriotismo que nos faz encher o peito e exclamar: Somos independentes!

Mas, na nossa vida diária, o que é que se compra com a independência?