22 de novembro de 2010

Goleada

Com reconhecido humor, JCD é terrivelmente certeiro.

Mas, atenção, não se pode reduzir o dito "Estado Social" a Educação, Saúde e Segurança Social. De resto, o peso destes serviços públicos fica muito abaixo de metade do valor do Orçamento do Estado.
O problema são as perversões do sistema.
O grande problema do nosso Estado Social são os socialistas.

18 de novembro de 2010

O que ele disse já não interessa



Interessa o que ele agora diz: que, de 2003 até hoje, a dívida externa passou de 50 para 90%.
E quem é o responsável?
Ora, é isso mesmo: o homem que ele próprio pôs no governo através de um golpe constitucional.

Portugal - Espanha

Dos jogadores que alinharam pela nossa selecção, quais é que não foram, ou não são, do SCP?
E do SLB?

15 de novembro de 2010

O combate ao aumento da despesa pública...

... faz-se com medidas impopulares, mas corajosas.

É desta forma que, desde que foi anunciado o PEC III, o Governo apenas fez 270 nomeações políticas.
Um número que, bem se vê, fica muito abaixo dos do tempo em que o Primeiro-Ministro nomeava 12 (doze) motoristas. Quer dizer, 12 duma assentada!

Sem qualquer dúvida, José Sócrates é o campeão do combate à despesa pública.

11 de novembro de 2010

O aviso estava feito

Há 2 anos, Novembro de 2008, já o Financial Times classificava Teixeira dos Santos como o pior ministro das finanças da União Europeia.


Como agora ficou escancarado, não se enganaram nada.
Com também acertaram com o ministro Irlandês - penúltimo.
E com o Espanhol - antepenúltimo.
Só deram bronca com o Grego. Mas esses aldrabavam as contas... Ou melhor, ainda aldrabavam mais as contas!

10 de novembro de 2010

Uma força da natureza


Com tanta força, mas com tanta força, com um tal vigor que... destruiu o País!

Andam por aí uns tipos a dizer que não. Que a culpa da falência foi a crise internacional. Pois... mas:
Não foi a crise internacional nos mandou andar, anos e anos, a dar pensões completas a tipos com 52 anos de idade.
Não foi a crise internacional que nos mandou tomar medidas imbecis e despesistas, por exemplo, na Educação.
Não foi a crise internacional que nos mandou criar empresas públicas que acumulam prejuízos e pagam régios prémios de desempenho aos gestores.
Não foi a crise internacional que nos mandou duplicar serviços da Administração Pública com a única finalidade de colocar "boys" com gostos caros.
Não foi a crise internacional que nos mandou construir estádios faraónicos onde ninguém vai.
Não foi a crise internacional que nos mandou construir autoestradas de três faixas onde ninguém passa.
Não foi a crise internacional que nos mandou negociar concessões, por exemplo, de autoestradas, independentemente do número de utilizadores.
...
Não. Não foi a crise. A crise só apressou o triste desenlace.
Quem mandou foi a "força da natureza".

7 de novembro de 2010

Responsabilidade civil e criminal

Vitalino apela à prudência e mostra-se "perplexo".
Vieira da Silva diz que não entende; que lhe escapa à compreensão.


Mas, verdadeiramente, o que estes e outros socialistas não entendem é que o dinheiro que gerem não é deles; é dos contribuintes!
Ora, quem gere mal não pode deixar de ser responsabilizado. E não o pode ser apenas na urna dos votos.

Enquanto não o forem, continuarão a comprar submarinos às motaengiles dos amigos. A montar uma frota colossal. A Parque Escolar já lá tem 4.

6 de novembro de 2010

4 submarinos 4

É aqui que se percebe que estes submarinos são dos bons.
Sabe-se que o submarino, por definição e vocação, é um veículo furtivo. Mas estes são muito mais. São disfarçados e, mesmo, ocultos.
Mas que lá estão, estão!

4 de novembro de 2010

Receitas para a crise

Embora me pareça que esta crise vai ser pior que a de então, talvez algumas receitas ainda possam ter utilidade...

Nota:
Não conte encontrar os alimentos a este preço. É que o IVA foi e será aumentado.


1 de novembro de 2010

Poupar no farelo


É certo que Lei é Lei.
É para cumprir e, sendo o caso, é para corrigir aquilo que não tiver sido devidamente cumprido.
Ora, sendo certo que é bem possível que nem todas as escolas tenham aplicado as regras de reposicionamento na carreira como agora se vem explicar - aqui e aqui - não será menos certo que muito poucos docentes terão sido "beneficiados" por uma eventual interpertração mais "generosa" das leis.
Para cada um destes professores, ao nível individual, poderá estar em causa muito dinheiro, mas, no contexto do País... estamos a falar de "peanuts". Farelo.
Não seria melhor o Governo preocupar-se com alguma farinha resultante de reposicionamentos salariais como estes ou estes?

Bem sei que estes são bons rapazes, malta amiga, mas, cum raio...