30 de setembro de 2010

"Chegou o momento de agir"

Chegou, sim. Mas não foi agora que chegou. Já foi há muito tempo. Já toda a gente sabia, menos o senhor Primeiro-Ministro.
Mas, já que demorou tanto, podia, ao menos, ter aproveitado o tempo para estudar a matéria e não vir fazer a esta porcaria que só desgraça o País.
Ó senhor, estas medidas não resolvem coisa nenhuma!
São balões de oxigénio para um sistema em estado terminal. Apenas adiam o inevitável, já que apenas visam aspectos conjunturais - orçamentais. O défice deste ano, e o do próximo, sim, serão diminuídos, mas os problemas estruturais, os tais que estão na base do colapso, esses permanecerão praticamente sem alterações.
E digo "praticamente", porque as duas últimas medidas listadas são:
  • Extinguir/fundir organismos da Administração Pública directa e indirecta;
  • Reorganizar e racionalizar o Setor Empresarial do Estado reduzindo o número de entidades e o número de cargos dirigentes.

Aqui, sim, vê-se alguma preocupação com o gigantismo do Estado. Falta só ver se aqui são incluídas as "fundações", as "entidades reguladoras", os "institutos públicos", a malta que se senta à mesa do Orçamento, e, sobretudo, se aqui estarão as famosas empresas públicas deficitárias. Se estiverem... ...

...

Agora, duas notas de desprezo:

  • Um homem que diz "O povo tem que sofrer as crises como o Governo as sofre", que foi o que disse Almeida Santos, é um palerma.
  • A jogada do fundo de pensões da PT - que no tempo de Ferreira Leite mereceu dos socialistas os maiores vitupérios - não é para ajudar a pagar os submarinos contratualizados em 2004. O que pode ser é para ajudar a pagar os submarinos encomendados por Guterres e renegociados, para quase metade, por Portas. Isto sim, senhor ministro. Já foi contagiado pelo patrão com o vírus da mentira?

28 de setembro de 2010

A institucionalização da MENTIRA


Miguel Sousa Tavares estava no jornal da SIC e, estranhamente, não estava a dizer asneiras. Estranhamente, repito, até estava a dizer umas coisas certas sobre o frete que o homem da OCDE tinha vindo fazer ao Governo. Estava, sim senhor.
Mas foi sol de pouca dura. Repentinamente, voltou ao seu normal e desatou a proferir um rol de imbecilidades, afirmando que os professores vão todos ganhar mais dinheiro porque o Governo "capitulou", e isto "independemente de saber se os professores tinham razão"!
Ora, de tantas vezes que MST tem falado dos professores, tem de se admitir que MST sabe do que fala; que conhece as questões; que não é um vulgar ignorante. E, assim sendo, MST sabe bem que o "acordo" foi gravoso para a maioria dos professores. Portanto, o que MST esteve a fazer foi a MENTIR. A mentir e em prime time.
MST sabe bem que apenas uma pequena parte dos professores, mesmo muito pequena, ganhou o direito a progredir na carreira em resultado do acordo assinado pelos sindicatos. A bem dizer, foram apenas os que estavam nos índices 245 e 299 e não tinham sido providos como "titulares". E, destes, apenas alguns progridem imediatamente. Os outros... aguardam!
MST tem de saber isto. Não o pode ignorar.
Miguel Sousa Tavares mentiu e fê-lo com toda a intencionalidade, visando desacreditar os professores.
MST mentiu exactamente como Sócrates mente quando visa prejudicar os portugueses.

25 de setembro de 2010

Porreiro, pá!


Se assim for, até nem me importo que me descontem no vencimento. Até pago, pá!
Ainda mais depois de mais esta vergonhosa cena. Pedro Passos já devia saber que estes tipos não são confiáveis.

21 de setembro de 2010

E o que é que isso interessa?


Já toda a gente compreendeu que Sócrates não tomará qualquer medida para "encolher" o Estado sem que a isso seja obrigado por uma instância internacional; sem que se possa vitimizar: "Por mim deixava tudo como está, mas aqueles malandros..."

Em tempo:
E, chegados a esse momento, Sócrates não mexerá nas clientelares empresas públicas deficitárias, nem nos institutos públicos, nem nas fundações privadas com dinheiros públicos, nem, sequer, nos sumptuários gastos do aparelho político.
Nada disso. Nessa altura, Sócrates investirá contra os funcionários.

20 de setembro de 2010

Grandes democracias

Em boa verdade, muitas das grandes democracias são monarquias.
Pai, filho, neto,... I, II, III,...

18 de setembro de 2010

TGV - o que falta saber

Todos sabemos, e há muito, que a construção do TGV “necessita de uma grande parcela de financiamento privado e em concreto da banca comercial”.
Também sabemos que se verificou “uma significativa e progressiva degradação da conjuntura económica e financeira de Portugal donde resultaram “dificuldades acrescidas na obtenção de fundos pela iniciativa privada e no agravamento do custo associado à obtenção do próprio financiamento”.
Isto, todos sabemos há muito.
O que ficámos a saber foi que esta evidência foi hoje reconhecida pelo Governo Socialista e plasmada em letra de Lei no Diário da República.
O que havemos de vir a saber é se este reconhecimento se ficou a dever ao estado comatoso das nossas finanças, ou ao facto de a Mota-Engil ter apresentado uma proposta que custa quase o dobro da melhor.
Isso é uma coisa que só saberemos aquando da adjudicação.

(entretanto, mantém-se a aberração do troço entre nada e sítio nenhum)

15 de setembro de 2010

Estado Social em colapso


"Há décadas", diz a ministra Canavilhas, como o dizem outras maravilhas.

É ouvir aqui.


(Não se deve perder a oportunidade de ouvir um socialista reconhecer esta evidência.)

14 de setembro de 2010

"Modernização" do Estado Social

Até tu, castro guerrilheiro, anuncias que vai ocorrer "um incremento no sector não estatal"...
Bom, por certo te terás aconselhado com outros camaradas. Chávez, certamente? Morales, idem, não?
Ah! E com Sócrates?

Duas fotos de Bragança

Estava eu a ver o Jornal da SIC, eis senão quando surgiu no ecrã a figura de Miguel Sousa Tavares. Logo fui confirmar o canal: estaria na TVI? E não. Era mesmo a SIC.
Que desgraça! O homem só dizia asneiras!
Então, para desenjoar, fui "revelar" as minhas últimas fotos. Ficam aqui duas.

Bragança

Cidadela de Bragança

6 de setembro de 2010

E qual é o problema?

Sim! Qual é o problema?

O senhor Primeiro-Ministro José Sócrates diz que isto não tem importância alguma. Diz que a economia está a crescer acima do esperado e, por isso, vai haver dinheiro para todos. E que, mesmo que não haja, pede-se emprestado e resolve-se o problema.

Abaixo estes jornais sensacionalistas e mentirosos.
Viva o senhor Primeiro-Ministro José Sócrates!