30 de setembro de 2008

700 mil milhões

Parece que o plano da pólvora foi rejeitado.
E parece-me bem.
As empresas aventuraram-se em negócios de elevado risco e devem, porque lhes correu mal, arcar com as devidas responsabilidades. É assim.

Além de que, o risco de falência por se correrem riscos excessivos regula melhor o mercado do que qualquer intervenção do Estado com o dinheiro dos contribuintes.

Olha lá se dá ao Estado para impedir a falência de qualquer empresa...
Já bem nos basta o sector "público" dos transportes de passageiros!

22 de setembro de 2008

Negócio de mercearia


Mário Ramires, no Sol, tem toda a razão.
Se o casamento não passa de um mero contrato, algo denunciável a todo o tempo pela simples manifestação de vontade de uma das partes, a que propósito andam por aí no afã de poderem vir a casar os homossexuais?
(Por mim podem casar à vontade... grrrhhh... desde que não adoptem!)

20 de setembro de 2008

Coitado do Ministro Pinho


Afinal, o homem não podia vender... não podia propor a nomeação do outro... ou ambas?

Coitado. Já bem lhe bastava ser...

11 de setembro de 2008

Portugal - Dinamarca

Ai aquelas mãozinhas do Ricardo... Ai aquelas saídas em falso...
E o Scolari teima em convocar o homem.
Apre!

10 de setembro de 2008

Agressão

Vi agora na televisão.
É que vi claramente.
Só não vê quem for cego.
Mas que grande biqueirada o Rodriguez aviou no Nuno Gomes. Livra!
Sumaríssimo! Só pode!

6 de setembro de 2008

Cluster aeronáutico

Estes três mil empregos ainda não tinham entrado na contabilidade do emprego líquido, pois não?
É que estes, desafortunadamente, têm de entrar nas contas do emprego evaporado.