29 de novembro de 2005

Quioto

No Reino Unido:

Tony Blair centra reforma da política energética no nuclear
O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, anunciou hoje a reforma da política energética do Reino Unido, centrando-a numa nova geração de centrais nucleares.
Até há pouco tempo, a energia nuclear fornecia cerca de um quarto das necessidades do Reino Unido mas este número deverá baixar para os quatro por cento em 2010, a menos que sejam construídos novos reactores.


Em Portugal:

A partir de 2008, Portugal "poderá ter de pagar entre 1500 a dois mil milhões de euros para comprar licenças de emissão excessiva a outros países" que não ultrapassem os níveis máximos definidos pelo do Protocolo de Quioto, afirmou ontem o candidato presidencial do Bloco de Esquerda. [...] afirmou-se ainda contrário à construção de centrais nucleares, "por não termos condições para a aplicar com garantias razoáveis de segurança", dando o primado à investigação científica nessa área.

É por esta e por outras tão obscurantistas como esta, que continuamos a afastar-nos da Europa.

27 de novembro de 2005

Cócegas

A Estrela do Mar enviou-me este aviãozinho.

Clique aqui e veja como se comporta o aparelho quando sujeito a condições exigentes.

26 de novembro de 2005

Otários

São cerca de 33%, de acordo com o "barómetro" do Expresso.
De facto, tudo quanto tive oportunidade de ler sobre a matéria, apresentava inconvenientes, mais ou menos gravosos, decorrentes da deslocalização do aeroporto para a Ota.
Há por aí algum estudo que aponte vantagens?

A "campanha de instinto"

... vai acabar.

Mas porquê? Se estava a obter excelentes resultados...

22 de novembro de 2005

Indisciplina na escola

Britânicos multam pais de alunos violentos

Os pais dos alunos com comportamentos violentos nas escolas britânicas podem ser multados até mil libras (1450 euros), segundo regras da nova reforma escolar, anunciou a secretária de Estado para as Escolas, Jacqui Smith.
"As intimidações verbais e físicas não podem continuar a ser toleradas nas nossas escolas, sejam quais forem as motivações", sublinhou a secretária de Estado, quando apresentava a semana de acção antiviolência na escola, que se inicia hoje na Grã-Bretanha, depois de vários casos problemáticos. "As crianças têm de distinguir o bem do mal e saber que haverá consequências se ultrapassarem a fronteira", disse.
Jacqui Smith garantiu "As novas regras transmitem aos pais uma mensagem bem clara para que percebam que a escola não vai tolerar que eles não assumam as suas responsabilidades em caso de comportamento violento dos seus filhos." As novas regras dão ainda aos professores um direito "claro" de submeter os alunos à disciplina e de usar a força de modo razoável para a obter, se necessário.

Esta terceira via é surpreendente, hem?

21 de novembro de 2005

20 de novembro de 2005

Bagdade-sous-Bois


Este desgraçado mais não faz que dar corpo à imensa revolta que o roi pela forma infra-humana como é tratado em França, onde vive num bairro degradado como o da foto seguinte.

Por isso, quando cai a noite, vai-se aos carros dos vizinhos e deita-lhes o fogo. E, quando pode, incendeia também os ginásios, as escolas e as bibliotecas que os franceses tiveram o desplante de lhe construir à porta de casa.
Perceba algumas das razões para a revolta dos jovens nesta foto reportagem da Visão.

Futebol

Não restam dúvidas que este homem se esforçou.
Faltou-lhe foi equipa.

19 de novembro de 2005

Há que apoiar a greve

As palermices dos sindicatos de professores levam a que a rapaziada desate a escrever coisas como esta, publicada no Independente de hoje, 18, e assinada por Miguel Beleza.

Os professores têm razão

A ministra da Educação não gosta dos professores. Há pouco vio­lentou-os, obrigando-os a fazer exames. Não é justo. O facto de os alu­nos e os pais poderem perder um ano não tem qualquer importância face às legítimas e nada corporativas razões dos professores. Segundo li, vi e ouvi, a ministra prepara-se agora para aumentar o horário de trabalho dos professores para 29 (!) horas por semana, e substituir professores que faltam. É injusto. Vinte e nove horas é pouco menos do que eu próprio tra­balho durante dois ou três dias e é claramente preferível que os alunos aproveitem para descansar durante as inúmeras horas de aula em que o pro­fessor titular é obrigado a faltar por razões totalmente legítimas.
Mas há pior. A ministra quer que os professores se fixem nas escolas por três ou quatro anos. Além da monotonia que para eles significa vários anos na mesma escola, retira aos professores o prazer de ter de mudar de alojamento com tanta frequência. Por outro lado, é sabi­do que há toda a vantagem em que os alunos sejam sujeitos a diferentes pro­fessores todos os anos. Evita-se assim, por exemplo, a permanência de pro­fessores mais aborrecidos ou piores pedagogos durante mais de um ano. Além disso, mudar todos os anos de professor aumenta a capacidade dos alu­nos de se adaptarem a situações novas.
Finalmente, e ao que parece, a ministra prepara-se para copiar o que acontece à generalidade dos traba­lhadores portugueses. Quando un dos cônjuges ou equivalente é colo­cado noutro local, têm que resolver o problema. É uma medida de combate à família, ao arrepio das anun­ciadas intenções governamentais.
Há que apoiar a greve.


Realmente! Se tivesse lido isto mais cedo, também eu teria apoiado a greve.

18 de novembro de 2005

Faltas de Professores

Há alguns dias, numa reunião, o senhor Secretário de Estado da Educação mostrou-nos os números relativos ao absentismo docente e deu a entender que os poderia vir a tornar públicos. Nenhum dos presentes se mostrou surpreendido com os números, já que convivemos quotidianamente com esta realidade.
Mas não há dúvida que este quadro envergonha toda a nossa classe.

Soraia Chaves

disse que

quando filmou estas cenas do "Crime do Padre Amaro"
(fotos da Sábado)

Não sei como é que este "Padre Amaro" se "arranjou", mas uma coisa é certa: vamos ter que definir um novo significado para "tocar".

17 de novembro de 2005

O "protocolo" ME - FNE

É, na generalidade, utópico. Veja-se:
  • Planos de recuperação e de acompanhamento dos alunos (?)
  • Valorização da escola pública do 1.º ciclo do ensino básico (?) - porquê só a pública?
  • Instalação de espaços de trabalho para professores (?)
  • Fornecimento de meios tecnológicos actualizados, designadamente computadores portáteis e kits multimédia, para apoio do trabalho dos professores (?)
Livra!!!

Mas no ponto 6 os professores marcam uns pontinhos. Lá isso marcam.
E vai dar muito trabalho refazer a distribuição de serviço...

(Leia o protocolo aqui)

16 de novembro de 2005

Inglês no Básico

Pode criticar-se esta medida de muitas formas:
Porque não é proritária;
Porque é inconsequente;
Porque é despesista;

Mas é uma perfeita idiotice, concordando embora com a medida, clamar por professores com formação pedagógica específica para os 3º e 4º anos de escolaridade. Quem os forma?

Sindicatos...

Desenvolvimento psicossexual

Pois é!
Também eu fui dos que tiveram que fazer pela vida.
Estes putos de agora...

(isto é capaz de ser o velho pecado da inveja...)

15 de novembro de 2005

Subsidiar a delinquência étnica

... os dirigentes europeus, so­bretudo os franceses, esqueceram-se dos seus países, das suas economias, das su­as sociedades.
Alimentaram um "Estado social" falido, injusto, improdutivo e de colossal desperdício.
Deixaram crescer e consolidar-se sociedades racistas e xenó­fobas, em que brancos e pretos, cristãos e muçulmanos, são igualmente portado­res de preconceitos e ódio.
E subsidia­ram a delinquência étnica.
Culparam os brancos e os europeus pelos crimes dos imigrantes.
"Compreenderam" e justificaram a violência, desde que esta seja de autoria minoritária, estrangeira ou até francesa de origem étnica.
Não perceberam que as instituições de socialização, as igrejas, as empresas e a escola deixaram de cumprir essas funções.
E, como alguém me fez notar, desmantelaram o serviço militar obriga­tório que poderia ter desempenhado, em países de imigração, uma notável função integradora.
Organizaram um "modelo social europeu" que serve para pagar a exclusão e que é também uma escola de fraude e uma recompensa à inutilidade.
Quando não ao crime e à violência.
...

Calma aí. Isto não é meu (excepto os negritos). Eu não tenho "pinta" para descrever desta forma tão sintética e tão acutilante o percurso que temos feito - o do primado do "politicamente correcto". Isto é um excerto do artigo de António Barreto no Público de 13/11/05.
Como diria um grande amigo, eu subscrevo por baixo.

13 de novembro de 2005

O Pintas

Lembram-se de uns cachorrinhos que alguém abandonou à minha porta?
Pois resolvemos ir buscar o Pintas para fazer companhia ao Max. Talvez o ajude a ultrapassar a depressão.

12 de novembro de 2005

Concurso de Professores

- Ai a senhora é professora efectiva?
- Ai todos os dias tem de fazer 60 quilómetros para ir trabalhar?
- Ai na localidade onde habita há vagas?
- Ai são de professores que estão requisitados ou destacados para outras funções?
- Então são vagas que não vêm a concurso para efectivos, não é?
- Ah! Mas podia ir para a sua terra por destacamento, é isso?
- E ficaria lá durante 4 anos?
- Pois é! Estou a ver. Mas não pode. Sabe, nós queremos acabar com os destacamentos todos.

Nós queremos continuar com a aberração de dar preferência aos professores menos graduados!

11 de novembro de 2005

Insucesso Escolar no Superior


Senhor Ministro,
Queira aceitar estas simples sugestões:
  1. Quando um aluno revele dificuldades, deve ser-lhe proporcionado um "plano de recuperação";
  2. A avaliação deve ter em conta o "ponto de partida" do aluno - o importante é o percurso/processo e não o produto final;
  3. A reprovação deve constituir-se como uma decisão excepcional e deve ser devidamente fundamentada;
  4. A decisão de uma segunda reprovação deverá ser tomada tendo em conta o parecer vinculativo, escrito, do Encarregado de Educação;
  5. Quando um aluno se encontre a repetir um determinado ano, ou disciplina, deverá ser sujeito a um "plano de acompanhamento";
  6. No final de cada ano, cada faculdade deverá enviar ao Ministério um relatório onde conste o número de alunos (1) reprovados tendo beneficiado de "plano de recuperação", (2) reprovados não tendo beneficiado de "plano de recuperação", e (3) reprovados tendo beneficiado de "plano de acompanhamento";
  7. As faltas às aulas devem, mensalmente, ser enviadas aos Encarregados de Educação;
  8. Nos horários dos professores deverão ser marcadas "horas de trabalho no estabelecimento", durante as quais estes estarão disponíveis para realizar outras tarefas.
Faça isto, Senhor Ministro.
Vai ver que o insucesso baixa drasticamente. É histórico...

10 de novembro de 2005

Paulo Pedroso

Tomei nota, Senhora Dona Ana Gomes.
E acredito!

Paulo Pedroso vai ser um dia Primeiro Ministro de Portugal.

Pedofilia na Casa Pia

O Tribunal da Relação decidiu não pronunciar Paulo Pedroso por nenhum dos 23 crimes de que era acusado. Ao que parece, as provas apresentadas não eram credíveis.
Mas as testemunhas não são as mesmas que acusam os outros? Então, se não são credíveis para uns, como poderão ser para os outros?
Não seria melhor arquivar o caso e mandar a malta toda para casa?
A continuar o julgamento, corre-se o risco de descredibilizar, ainda mais, a Justiça.

Prevejo que se irá concluir que nunca houve pedifilia na Casa Pia e que ainda iremos pagar chorudas indemenizações...

9 de novembro de 2005

Normalidade


Tudo dentro da normalidade, diz a PJ.

Ai então já é normal queimar carros?

8 de novembro de 2005

França

Este homem tem estado muito caladinho...

Pois é! Ele sabe que está a capitalizar.

Quantos mais franceses passarão a votar na Frente Nacional?

Nu integral



Será caro?

6 de novembro de 2005

Feira dos Santos


(vista MUITO parcial)
Uma vez por ano, no primeiro Domingo de Novembro (e no Sábado que o antecede) é este mar de gente.
Antigamente, era, sobretudo, a carne de porco - as febras - que fazia "mover" o pessoal. Agora é a roupa. Toda das melhores marcas...

(actualizado no "Pensar Mangualde")

5 de novembro de 2005

Música

A Sulista diz que esta música (que a mim me recorda aviões) lhe lembra o Tom Cruise... vá-se lá saber porquê...
A mim recorda-me esta bomba...

... e os tempos em que este modelo clássico...

... era um verdadeiro avião de combate.

Há músicas...

... que me lembram aviões...
A vocês não?

4 de novembro de 2005

Violência urbana

Nos arredores de Paris.


Desde o início do ano, cerca de 28 mil carros foram incendiados por grupos de marginais.
Nos últimos dias a violência atingiu um novo patamar. Nem as creches foram poupadas! Tudo é queimado. Tudo é destruído.

E, como resultado... voilá...

Os marginais ganharam o estatuto de parceiros!
Bem, ainda agora na RTP, um jornalista português dizia que "a acção da polícia só tem piorado a situação, uma vez que constitui uma provocação para os jovens".
Pois! O que são precisas são novas políticas de integração. Pagar para que eles não "chateiem".
Isto não será uma nova forma de imposto revolucionário?

3 de novembro de 2005

Xadrez


Agora fazem-se buscas em casa de cidadãos que não são suspeitos.

Que raio de país!

2 de novembro de 2005

Duro revés...

... sofreu esta malta esquerdista.
1 - Não vão ter uma disciplina autónoma de Educação Sexual;
2 - A qual passa ser vista pelos prismas da afectividade e da Saúde;
3 - E vai ter avaliação!

E, além do mais, é o "guru" Sampaio (Daniel) quem o diz.
Isto é música para os meus ouvidos.

Ricos?

Em Milão, há dois grandes clubes de futebol: A Associazone de Calcio de Milano (AC Milan) e o Futbol Club Internazionale de Milano (Inter).
E ambos partilham este estádio: O Stadio Giuseppe Meazza di San Siro
Uma vezes, mais "Giuseppe Meazza", outras vezes, mais "San Siro"

Lá, como cá...

IVG - 2

Ora aqui está uma proposta que apoio.

Há já muito tempo que sugeri isto mesmo.

Não se condenam as mulheres que recorrem ao aborto.
Mas...
Aborto, cada um paga o seu!

1 de novembro de 2005

IVG

É realmente lamentável que uma lei aprovada há tanto tempo ainda não esteja a ser aplicada.
Só mesmo em Portugal.

Mas, ainda mais grave, é o frenesim em que se anda(ou) para alargar os limites legais ao aborto. Pois se nem esta, mais restritiva - logo de mais simples aplicação - está a ser cumprida, como viria(á) a ser com a outra?