27 de maio de 2010

25 de maio de 2010

Bancarrota

Chegou-me à mão um artigo que Joaquim Letria publicou na sua coluna “25.ª Hora”, no jornal “24 Horas” de 4/5/2010, que pode ser lido aqui (registo prévio).
Às tantas, diz o articulista:

Estamos bem entregues! Vão-nos servindo a sopa do Sidónio, à custa dos milhões que ainda recebem da Europa, andam pelo mundo fora sem vergonha, de mão estendida, a mendigar e a rapar tachos, tratados pelos credores como caloteiros perigosos e mentirosos de má-fé.
Quando Guterres chegou ao Governo, a dívida pouco passava dos 10% do PIB. 15 anos de Guterres, Barroso, Sócrates e de muitos negócios duvidosos puseram-nos a dever 120% do PIB.


Pois é. Só que, entre 1995, quando Guterres tomou posse, e o ano de 2010, em que (ainda) somos governados por Sócrates, passaram 15 anos. E destes, o PS só não governou durante menos de 3 anos!

Bom, assim percebe-se melhor.

22 de maio de 2010

Legalizar as drogas a sério



Genial!


Quando se pensa que já está tudo inventado, que já não há mais alternativas para manter os níveis de despesa do Estado, eis que surge a verdadeira "mãe de todas as soluções": legalizar as drogas pesadas, criar empresas que as comercializem, e, obviamente, carregá-las de impostos.


À atenção, portanto, do nosso Governo.

Só faço uma recomendação:

Estas empresas que, como se infere, integram o "sector estratégico do Estado", NÃO DEVEM SER OBJECTO DE PRIVATIZAÇÃO!

21 de maio de 2010

Viva!


Parem tudo! Parem o Plano de Austeridade. Afinal não é preciso. A receita fiscal está a subir e a despesa a descer. Isto está a correr muito bem. E sem aumento dos impostos!!!

Assim, podemos avançar já, já, já com o troço de TGV entre nada e coisa nenhuma.
Viva Sócrates e o fabuloso governo de Portugal.

(BTW, quem é que compilou e publicou estes dados? Foi o INE, o Eurostat ou BdP?)

19 de maio de 2010

Julgam que descobriram a pólvora

Estes alemães devem pensar que descobriram algo de novo.

Ó meus senhores, o governo Português já faz isso há muito tempo. Aprendam!
Aqui, quando as câmaras municipais ficam mais endividadas... o Governo diminui-lhes as transferências previstas na Lei das Finanças Locais. É qualquer coisa como: "Ai deves dinheiro? Então vamos dar-te menos que é para teres mais dificuldade a pagar as dívidas".

E os que pensam que a verba retida vai abater ao montante em dívida, enganam-se: vai servir para o Governo gastar mais!

18 de maio de 2010

Homossexiens

Embora não lhe tenha perdoado por, enquanto pôde, não ter mandado de férias o nosso Tareq Aziz, aquele que, mesmo perante as evidências, continua a mentir tão convictamente que chega a acreditar na sua própria mentira, tenho de reconhecer que hoje subiu uns pontitos:



Não me parece que alguém, honestamente, possa qualificar o Reino Unido, a Alemanha, a França, a Suíça ou a Dinamarca como países retrógrados.
... ...
Os Portugueses recordam-se, certamente, de que na minha mensagem de Ano Novo alertei para o momento muito difícil em que Portugal se encontra e disse mesmo que podíamos “caminhar para uma situação explosiva”. E disse também que não é tempo de inventarmos desculpas para adiar a resolução dos problemas concretos dos Portugueses.
Há momentos na vida de um País em que a ética da responsabilidade tem de ser colocada acima das convicções pessoais de cada um.

16 de maio de 2010

Queima 2010


Meio a brincar, costumo dizer que Universidade só há uma; a de Coimbra e mais nenhuma!
(que me desculpem os tipos que cursaram na Independente)

14 de maio de 2010

Será que a trocaram por uma feiosa?

Leio aqui que, em Mirandela, a Câmara Municipal decidiu afastar uma professora do contacto com os alunos.
Por um lado, percebo a ideia: afasta-se dos alunos para que tenha mais contacto com os adultos. Está bem visto, sim senhor.
Mas, por outro, sou assaltado por uma dúvida inquietante: Será que a substituíram por alguma feiosa assexuada?
Pelos contornos do caso, estou em crer que sim. Tenho quase a certeza.
E, a assim ser, estaremos perante mais um miserável atentado à qualidade do ensino.
Para já nem falar da intolerável violência psicológica a que ficarão sujeitas as crianças. É que elas podem vir a partir para a acção directa...

Todos as crianças têm direito a ter boas professoras!

PS:
Depois de ter visto na TV a vereadora da educação, apercebi-me de quão devastador pode ser o ciúme.

E mais: criei um grupo de apoio à professora

http://www.facebook.com/home.php?#!/group.php?gid=123582981001539

13 de maio de 2010

Por falar em pedir desculpas

Sinto as deste gajo como "insuportável violência psicológica". Bem sei que não está a falar comigo. Eu sou dos que percebeu. Mesmo assim, acho-me insuportavelmente pressionado e só vejo uma saída: acção directa!

Desculpas, devia pedir o PS por ter um deputado com esta postura desgraçada.

Cada cavadela... sua minhoca


Quero começar por fazer um pedido de desculpas pessoal aos portugueses por ter dado apoios aos planos hoje anunciados pelo primeiro-ministro...

É pá, não votei neste homem para aumentar impostos. Votei para diminuir o peso do Estado.
Porra, pá!

Até o meu cão...

Eu até era capaz de aceitar a aplicação das medidas espanholas em Portugal. Provavelmente, acrescentaria a reavaliação dos actuais beneficiários de RSI - 500 milhões de euros -, já que continua a haver imensos casos escandalosos. E esta, como as espanholas, são medidas que visam reduzir a despesa do Estado.
Não está lá uma, sequer, que vise o aumento da receita.

Pois claro: aumentar os impostos!

Ora porra! Assim, até o meu cão governava.


12 de maio de 2010

Então, e os preservativos?

Sim, os milhões de preservativos que andaram a distribuir para atirar ao Papa.
Não li nada sobre o prometido "atiranço" das camisinhas.

Querem lá ver que lhes faltaram os tomates?

5 de maio de 2010

Ai estes senhores jornalistas...

Apropriou-se, não! "Tomou posse"!
Homens como este, respeitados deputados, ademais, socialistas, não se apropriam de coisas. Nunca!
O que podem é "tomar posse" de coisas.

Agora, na posse dos equipamentos que gravavam a entrevista mutuamente combinada, este senhor deputado vai poder demonstrar no tribunal que as perguntas dos jornalistas constituiram um grave atentado à sua honra e bom nome.

Ah, homem do caraças! Se não fosse açoriano, tinha de ser do Norte, carago!

3 de maio de 2010

Mas para quê?

Promoção do produto?
Alargamento do mercado?

Ou simples esbanjamento gabaroleiro?