23 de abril de 2009

E ele diz que não é violento

Vi, muitas vezes, o Petit cometer verdadeiras tentativas de homicídio mas, perante este autêntico genocídio, o rapaz nem era nada violento. E como joga no Madrid, que, à semelhança de outros, vive de glórias passadas, este psicótico deverá escapar à irradiaçao. Lamento!

22 de abril de 2009

Dia chato

Depois de ter lido uma missiva da Administração Fiscal e de ter sido azucrinado por um mentiroso compulsivo durante todo o jantar, lembrei-me desta história:

Numa entrevista para emprego, o psicólogo dirige-se ao candidato e diz:
– Agora vou fazer-lhe algumas perguntas que decidirão da sua admissão.
– Muito bem. Vamos a isso – diz o candidato.

O psicólogo pergunta:
– É uma noite escura. Você está na berma de uma estrada e vê ao longe dois faróis emparelhados a virem na sua direcção. Diga-me o que será?
– Um carro – diz o candidato.
– Isso é muito vago. Que carro? Um BMW, um Audi, um Volkswagen?
– É escuro, não dá para ver.
– Humm... – diz o psicólogo – vou fazer-lhe outra pergunta: Você está na mesma estrada escura e vê um só farol a avançar na sua direcção. O que é?
– É uma moto – diz o candidato.
– Sim, mas que moto? Uma Yamaha, uma Honda, uma Suzuki?
– Sei lá, é escuro, não dá para saber.
– Humm… – diz o psicólogo – vou fazer-lhe uma última pergunta:
– Na mesma estrada escura você vê novamente um só farol, menor que o anterior, e você apercebe-se que avança mais lentamente. O que é?
– Uma bicicleta.
– Sim, mas que tipo de bicicleta? BTT, estrada, passeio...?
– Não sei.
– Pois é, não sabe. Lamento mas reprovou no teste – diz o psicólogo.

Nesse momento, o candidato dirige-se ao psicólogo e diz:
– Teste interessante, sim senhor. Posso ser eu a fazer-lhe uma pergunta?
– Claro que pode. Pergunte.
– Você está à noite numa rua bem iluminada e vê uma mulher com maquilhagem carregada, decote generoso, saia bem curtinha, bolsinha na mão... o que é?
– Ah, é uma puta – diz o psicólogo.
– Sim, mas que puta? A sua irmã, a sua mulher, ou a puta que o pariu?

21 de abril de 2009

Ordem nos Notários !


Sou eu que ando obnubilado ou é o Secretário de Estado que não sabe que uma escritura é pública?

19 de abril de 2009

A Paixão segundo São Vítor


Apesar de tudo, este Lucílio continua a fazer serviços de arbritagem.
Todavia, vá-se lá saber porquê, hoje não anulou dois dos
três golos do Sporting.
Esquisito...

11 de abril de 2009

Guerra é guerra!

Guerra da ANF
Como se pode ver neste recibo de farmácia.

Mas a minha experiência pessoal com genéricos não é positiva.

4 de abril de 2009

Ó Cristo...

Este artigo de opinião, que pode ser lido aqui mas que, para maior facilidade, reproduzo na íntegra, levou a que José Sócrates processasse o colunista.
Um acto muito pedagógico. Até pela invulgar celeridade da justiça - o artigo foi publicado a 3 de Março e o jornalista já foi ouvido no DIAP.
Agora leia:

JOSÉ SÓCRATES, O CRISTO DA POLÍTICA PORTUGUESA

Jornalista -
jmtavares@dn.pt 03 Março 2009

Ver José Sócrates apelar à moral na política é tão convincente quanto a defesa da monogamia por parte de Cicciolina. A intervenção do secretário-geral do PS na abertura do congresso do passado fim-de-semana, onde se auto-investiu de grande paladino da "decência na nossa vida democrática", ultrapassa todos os limites da cara de pau. A sua licenciatura manhosa, os projectos duvidosos de engenharia na Guarda, o caso Freeport, o apartamento de luxo comprado a metade do preço e o também cada vez mais estranho caso Cova da Beira não fazem necessariamente do primeiro-ministro um homem culpado aos olhos da justiça. Mas convidam a um mínimo de decoro e recato em matérias de moral.
José Sócrates, no entanto, preferiu a fuga para a frente, lançando-se numa diatribe contra directores de jornais e televisões, com o argumento de que "quem escolhe é o povo porque em democracia o povo é quem mais ordena". Detenhamo- -nos um pouco na maravilha deste raciocínio: reparem como nele os planos do exercício do poder e do escrutínio desse exercício são intencionalmente confundidos pelo primeiro-ministro, como se a eleição de um governante servisse para aferir inocências e o voto fornecesse uma inabalável imunidade contra todas as suspeitas. É a tese Fátima Felgueiras e Valentim Loureiro - se o povo vota em mim, que autoridade tem a justiça e a comunicação social para andarem para aí a apontar o dedo? Sócrates escolheu bem os seus amigos.
Partindo invariavelmente da premissa de que todas as notícias negativas que são escritas sobre a sua excelentíssima pessoa não passam de uma campanha negra - feitas as contas, já vamos em cinco: licenciatura, projectos, Freeport, apartamento e Cova da Beira -, José Sócrates foi mais longe: "Não podemos consentir que a democracia se torne o terreno propício para as campanhas negras." Reparem bem: não podemos "consentir". O que pretende então ele fazer para corrigir esse terrível defeito da nossa democracia? Pôr a justiça sob a sua nobre protecção? Acomodar o procurador-geral da República nos aposentos de São Bento? Devolver Pedro Silva Pereira à redacção da TVI?
À medida que se sente mais e mais acossado, José Sócrates está a ultrapassar todos os limites. Numa coisa estamos de acordo: ele tem vergonha da democracia portuguesa por ser "terreno propício para as campanhas negras"; eu tenho vergonha da democracia portuguesa por ter à frente dos seus destinos um homem sem o menor respeito por aquilo que são os pilares essenciais de um regime democrático. Como político e como primeiro-ministro, não faltarão qualidades a José Sócrates. Como democrata, percebe-se agora porque gosta tanto de Hugo Chávez.

3 de abril de 2009

1 de abril de 2009

Sem vergonha!

No passado dia 30, no Centro de Estudos de Caparide, Cascais, anunciou o Senhor Primeiro-Ministro: "Vamos recuperar as 50 escolas mais degradadas em Portugal, que são uma vergonha para o País..."
E eu digo que sim, que são uma vergonha para o país. Mas não são as escolas que envergonham. Repare-se:
Sua Excelência reuniu 28 Presidentes de Câmaras Municipais para assinarem os protocolos de recuperação das escolas dos respectivos concelhos. Ora, se a escolha tivesse sido isenta, seria de esperar que - mais degradação, menos degradação - a filiação partidária destes 28 presidentes reflectisse os resultados eleitorais das autárquicas de 2005. Isto na lógica estatística da "amostra". Se assim fosse, apenas 35% dos 28 escolhidos seriam do PS. Mais coisa, menos coisa, bem se vê.
Só que a falta de vergonha levou a que este número praticamente duplicasse. 69% dos 28 presidentes escolhidos são socialistas. Arre!
Mas para se perceber bem a dimensão da semvergonhice é preciso dar conta que:
  • Na região Centro, onde abundam as câmaras de maioria social-democrata, foram escolhidos 3 municípios: Castelo Branco, Mortágua e Lousã. O que têm em comum? São todos socialistas!
  • Na região do Algarve foram escolhidos 2: Lagos e Portimão. Socialistas!
  • Na região do Alentejo escolheram apenas 1. Foi o Alvito. E veja-se bem a pontaria: entre tantos PCP, no Alvito ganhou uma lista de independentes (!!!)
(Sim, eu ei. Por mera coincidência, as piores escolas estão em concelhos socialistas.)