31 de dezembro de 2005

30 de dezembro de 2005

Brutalidade policial




Estes americanos são mesmo uns selvagens.
A tiro ou à mangueirada, acabam sempre por matar o "pessoal".

Cavalada

Diz-se aqui que o senhor Secretário de Estado Valter Lemos anunciou que
"Já abriu o concurso para a aquisição de computadores portáteis e outros equipamentos, como projectores de Power Point".
Ai, ai...
Será para serem mais baratos?

29 de dezembro de 2005

Arioplano

A não perder as carinhas larocas das Virgens Suicidas.

Ortografia

Fui alertado pelo Mocho para este comentário colocado pelo Anónimo num post onde utilizei o termo "incarnação" para lembrar a "outra vida" de Mário Soares.
Que não! Que não sei escrever. Que não é "incarnação". Que o correcto é "encarnação".
E vai mais longe. Aproveita para generalizar a minha alegada ignorância à plêiade dos professores.
E, mais grave ainda, o Anónimo diz que para a próxima me "manda" o dicionário.
Ó caro Anónimo, se quer ser simpátic0, não mo mande - envie-mo. Agradecerei, como é de boa educação. Mas olhe que não faz falta cá por casa. Temos em uso o do José Pedro Machado e o da Academia das Ciências. E, para as situações mais corriqueiras, usamos o da Priberam, de onde retirei o que a seguir reproduzo:

Está a ver?
Não seja tão dogmático. Reflicta. Pense. Estude!
E vá passando por aqui. Prometo que irei "dando à estampa" conceitos e palavras difíceis, contribuindo, assim, para a sua formação.

Doeu-lhes


Quando a coisa entra na "massa" doi mais, não é? Doi porque a massa é menos. E dá tanto jeito...
Então os senhores não sabiam que este ano havia regras novas?
Não sabiam que foram definidas áreas prioritárias?
Não sabiam que há áreas de formação com oferta excessiva?
Não sabiam que os indicadores de realização de anos anteriores eram determinantes?
Não sabem que os outros centros de formação também viram cortados os financiamentos de algumas das suas acções de formação?
...
Com essa mania da perseguição, estarão a conjecturar que a Ministra prepara um "golpe constitucional" à laia de Cavaco Silva?

Quando vejo estas atitudes até me dá para defender a Ministra. Apre!

28 de dezembro de 2005

Golpe constitucional


Deu um exemplo.
Sugeriu.
Não! Propôs!
Não! Intrometeu-se!
Não! Está a preparar um "golpe constitucional"!

No que dá o desespero...

27 de dezembro de 2005

Poderes e intromissões

Em entrevista ao "Jornal de Notícias", questionado sobre o problema da deslocalização das empresas estrangeiras a actuar em Portugal, o ex-primeiro-ministro afirmou: "Há uma coisa que pode ser feita em Portugal, que eu sei que já foi feita noutros países. Podia existir um responsável do Governo que fizesse a lista de todas as empresas estrangeiras em Portugal e, de vez em quando, fosse falar com cada uma delas para tentar indagar sobre problemas com que se deparam e para antecipar algum desejo dessas empresas se irem embora, para assim o Governo tentar ajudá-las a inverter essas motivações". "Tem de ser um acompanhamento com algum pormenor que deveria ser feito por um secretário de Estado especialmente dedicado a essa tarefa", acrescentou Cavaco Silva, referindo que a sua declaração pública deveria ser já encarada como uma proposta ao Governo.O ex-primeiro-ministro afirmou ainda que este tipo de acções já teve lugar noutros países europeus, nomeadamente na Áustria, acrescentando que a missão de um Presidente é "ajudar a aumentar o clima de confiança" nacional.

Perante estas palavras, a malta não teve qualquer dúvida: "Cavaco está a intrometer-se na esfera de acção do Governo. Os poderes do Presidente da República não abarcam estas competências".

Claro que, sobretudo depois do debate Cavaco-Soares, toda a gente compreendeu que o PR não tem poder para nada. Nem sequer para ilustrar exemplos seguidos por outros países. O próprio Soares disso deu provas durante os 10 anos em que esteve em funções. Para quê sugestões? Para quê exemplos de outros países? Nada disso. Visitar outros países, isso sim! Nisso, Soares foi REI. E é quanto basta para preencher o mandato: viajar.
Mas Cavaco acha que é pouco. E eu também!
(Entretanto, Cavaco vai expondo as suas ideias, e os outros vão falando sobre as ideias de Cavaco)

Visita de Natal

O senhor Primeiro-ministro foi visitar os nossos militares em missão no Afeganistão. Um gesto carregado de simbolismo.
Gostei de ver. Parabéns!
Só foi pena que, aproveitando o trajecto, não tivese escalado Nassíria.

23 de dezembro de 2005

Natal 2005

Queria aqui pôr um belo postal com o Pai Natal todo catita carregado de prendas para os meus amigos.
Pois era... Mas só encontrei o senhor a ver se as renas do seu trenó estavam prontas para continuar a viagem.

Um NATAL FELIZ para todos vós!

O Natal

De há uns anos para cá que se vem generalizando a ideia de que "Natal é quando um homem quiser". Recuso terminantemente esta falácia. Natal, "O Natal" é só uma vez por ano. É agora! Os outros todos são dias de fraternidade, ou, como é mais politicamente correcto, de solidariedade.
De resto, esta ideia serve os interesses hegemónicos do Pai Natal. Quando eu era puto, era o Menino Jesus quem vinha pôr os presentes no sapatinho...

Equívocos

Cavaco Silva não é social-democrata.
Mário Soares já "meteu o socialismo na gaveta" (na outra incarnação).
José Sócrates toma medidas de extrema-direita.

É assim em Portugal!

21 de dezembro de 2005

Debate

Terminou agora a transmissão do debate (vi em diferido na SIC Notícias).
Soares, na sua declaração final, disse que era o candidato que tinha mais qualidades para desempenhar as funções de Presidente, que são uma “magistratura da moderação”. “Eu sei exercer o poder moderador”, disse ele.
Isto é, depois de todos os impropérios, das constantes interrupções, das provocações, dos ataques soezes, de toda aquela agressividade … diz-se moderador? Ora porra!
Só se for um novo conceito de moderação. Será que agora moderação é o mesmo que má-criação?
Fiquei chocado.
E mais chocado ainda, agora que soube que 196 dos 780 entrevistados telefonicamente pela Eurosondagem acharam que Soares esteve melhor que Cavaco, quando apenas 185 acharam o contrário. Logo, Soares ganhou...

19 de dezembro de 2005

Este sim, é "um" Presidente

O presidente ultraconservador iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, proibiu os meios de comunicação do país de difundirem «música ocidental e decadente», noticiou a imprensa local.
«A partir de agora, a televisão e a rádio devem evitar promover a música ocidental e decadente e dar destaque à música nacional e tradicional que recorde o período da Revolução Islâmica de 1979», ordenou o presidente.
Ahmadinejad dirige o Conselho Supremo da Revolução Cultural, pelo que, segundo a lei, a rádio e a televisão locais são obrigadas a acatar as decisões ditadas pelo presidente.
Os meios oficiais transmitem habitualmente músicas tradicionais, mas alguns programas incluem hip hop ou tecno.
O presidente também determinou que se evite «a violência e a decadência da indústria cinematográfica».


Ora aqui está mais um Presidente apostado em fazer recordar o passado, neste caso a Revolução de 1979.

Cavaco e o "alto risco"

Mário Mesquita é membro da comissão política da candidatura de Mário Soares e habitual colunista do Público. No seu artigo de hoje, Domingo, escreve assim (pag. 11):

Cabe perguntar que faria Cavaco Silva, se fosse eleito Presidente, quando um Go­verno de cor diferente da sua pretendesse gerir os períodos pré-eleitorais com a lógica própria de quem deseja, como é normal, permanecer no poder? Enquanto estivesse em causa estimular o Executivo a prosseguir medidas restritivas, com vista à contenção do défice, Cavaco seria, provavelmente, aliado circunstancial de José Sócrates. Quando o primeiro-ministro do PS resolvesse agir com vista preparar eleições, tenderia a adoptar a severidade própria de Presidente FMI, coarctando, com os poderes ao seu alcance, a margem de acção governativa. A seu tem­po, o famoso desígnio de Sá Carneiro teria ocasião de se realizar, na margem direita da política portuguesa, através da consonância entre a presidência, a maioria parlamentar e o governo. Belém e S. Bento a uma só voz – a voz da direita – por muitos e bons anos.

Vamos lá dissecar isto:
  • O que é que preocupa Mesquita? A gestão dos períodos pré-eleitorais.
  • Porquê? Porque nesses períodos a lógica normal é a de preparar a permanência no poder.
  • E que faria Cavaco nesses períodos? Coarctaria a margem de acção governativa.
  • Porquê? Porque continuaria preocupado com a contenção do défice.
  • E antes de chegarmos a esse período? Cavaco seria um aliado de Sócrates.

Caramba! O que preocupa Mesquita é exactamente aquilo que eu entendo que deva ser a postura de um Presidente, nos tempos que correm. Apoiar o governo (unindo os portugueses) nas medidas de contenção do défice e relançamento da economia, travando derivas populistas e eleitoralistas.

Arre porra! Até me apetece perguntar:
O que é que Mesquita pretende que Soares faça se for eleito? O contrário, não?

15 de dezembro de 2005

14 de dezembro de 2005

Bofetadas

O Azurara vem mui respeitosamente esclarecer que reprova qualquer tipo de violência, quer verbal, quer física - murros, chapadas e empurrões incluídos - dela se devendo excepcionar, todavia, a galheta e o cachaço pedagógicos.

Mangualde, 13 de Dezembro de 2005

11 de dezembro de 2005

Déjà vu


Há 20 anos foi uma bofetada na Marinha Grande...
Desta vez foi em Barcelos...
Vamos ver o resultado... (já é notícia de abertura do Telejornal)
Pois eu pus aqui a "Trova do Vento de Passa" do Manuel Alegre, cantada pelo Adriano Correia de Oliveira.

His master's voice

Olha aqui um relatório just in time!

Diz respeito à organização do ano anterior. E, por isso mesmo, vale mesmo a pena ler o que lá está escrito e compará-lo com as alterações introduzidas no ano corrente, nomeadamente as questões que se referem ao serviço docente.
Mas, para além disso, é um relatório que vem mesmo a calhar neste momento em se prepara a legislação das colocações plurianuais.
Como já referi, eu concordo, conquanto os professores efectivos devam ter prioridade relativamente aos outros. Manter as regras actuais será persistir na imbecilidade.

10 de dezembro de 2005

9 de dezembro de 2005

Milu


Esta cadelinha foi abandonada. Em muito mau estado, acabou por ser recolhida no canil municipal. Passado o período legal de sequestro ia ser eutanasiada. Gostei do bicho e ... cá está a Milu a "bater-se" ao Max.
(O Pintas, habituado a outros espaços, não se conseguiu "integrar" e voltou para os "avós")

Aqui está a Milu pouco depois de ter chegado a casa, mas já após um prolongado banho quente, o qual, todavia, se veio a verificar infrutífero. Teve mesmo de ir ao "cabeleireiro" para ficar como acima.

8 de dezembro de 2005

Secreta (mas não muito)


É neste artigo que se diz que a CIA é suspeita de manter sob custódia ilegal suspeitos da prática de terrorismo, que é muito parecido com dizer que a Procuradoria Geral da República é suspeita de manter sob custódia ilegal suspeitos da prática de pedofilia.
Mas diz-se muito mais. De facto, para o jornalista Armando Rafael do DN, não há secretismo que resista. Ele desvenda tudo. Ele sabe quais as empresas que trabalham para a CIA. Ele sabe os modelos dos aviões da CIA. Ele sabe a matrícula dos aviões da CIA. Ele sabe quais as novas matrículas dos velhos aviões da CIA. Ele sabe quais os aeroportos preferidos pelos aviões da CIA. Ele sabe as origens e os destinos de cada voo dos aviões da CIA. Ele...
Espero que, terminada esta brilhante investigação, ele aproveite toda a sua capacidade para uma nova investigação: os voos secretos dos terroristas, os aviões dos terroristas, as empresas contratadas pelos terroristas, as prisões secretas dos terroristas, as bases dos terroristas, as cidades preferidas pelos terroristas, e, mais importante, os próximos alvos dos terroristas.
Depois disso ... podemos dormir descansados!

7 de dezembro de 2005

Com humor

Errar é humano
Persistir no erro é americano
Acertar no alvo é muçulmano

(recebido por email)

4 de dezembro de 2005

"contra" Cavaco


(no Público)
Tem razão José António Saraiva do Expresso (link não disponível).
Se todos os candidatos afirmam que se candidataram para derrotar Aníbal Cavaco Silva;
Se todos são "contra" Cavaco;
Se todos dizem que votarão no candidato que disputar a segunda volta com Cavaco;
Então, por que não fazem isso já na primeira volta?
Por que não hão-de desistir a favor de um deles? Um qualquer. Pouco os distingue. Até poderia ser por sorteio. Toda a "esquerda" irá, nas palavras dos próprios candidatos, unir-se contra Cavaco.
Então, para quê adiar para uma segunda volta o que se pode resolver duma só vez?

2 de dezembro de 2005

Secção de Aviões

Ontem à tarde, caso raro, estive a ver TV. Era um filme do D'Artagnan. O papel principal era o da "má" da fita. E dei comigo a pensar:
Má? Para mim, a senhora é muito boa!

1 de dezembro de 2005

Selecção de pessoal


Percebo a ideia, mas tenho sugestões para outras perguntas a incluir no questionário:

  • Fuma cannabis (medicinal, claro)?
  • É toxicodependente?
  • É terrorista?
  • É católico?
  • É homossexual?
  • É negro?
  • É branco?
  • É mulher?
  • É feio(a)?
  • É ...

ATENÇÃO!!

Se é pessoa jovem ou impressionável, passe esta em falso!
Depois não me venha pedir responsabilidades.
Avance por sua conta e risco

Mas, se gosta de "coisas" ousadas, então...

Comece por oferecer uma prenda (sugiro um sofá).
Verifique todas as possibilidades oferecidas.
E não se esqueça da melhor parte: crie o seu estilo pessoal!
Arraste os bonecos ... mexa nos botões todos ... observe ... vai perceber num instantinho...

É aqui

http://www.loveyourmouse.com/awards/cannes/tokstok/kamasutra.html

29 de novembro de 2005

Quioto

No Reino Unido:

Tony Blair centra reforma da política energética no nuclear
O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, anunciou hoje a reforma da política energética do Reino Unido, centrando-a numa nova geração de centrais nucleares.
Até há pouco tempo, a energia nuclear fornecia cerca de um quarto das necessidades do Reino Unido mas este número deverá baixar para os quatro por cento em 2010, a menos que sejam construídos novos reactores.


Em Portugal:

A partir de 2008, Portugal "poderá ter de pagar entre 1500 a dois mil milhões de euros para comprar licenças de emissão excessiva a outros países" que não ultrapassem os níveis máximos definidos pelo do Protocolo de Quioto, afirmou ontem o candidato presidencial do Bloco de Esquerda. [...] afirmou-se ainda contrário à construção de centrais nucleares, "por não termos condições para a aplicar com garantias razoáveis de segurança", dando o primado à investigação científica nessa área.

É por esta e por outras tão obscurantistas como esta, que continuamos a afastar-nos da Europa.

27 de novembro de 2005

Cócegas

A Estrela do Mar enviou-me este aviãozinho.

Clique aqui e veja como se comporta o aparelho quando sujeito a condições exigentes.

26 de novembro de 2005

Otários

São cerca de 33%, de acordo com o "barómetro" do Expresso.
De facto, tudo quanto tive oportunidade de ler sobre a matéria, apresentava inconvenientes, mais ou menos gravosos, decorrentes da deslocalização do aeroporto para a Ota.
Há por aí algum estudo que aponte vantagens?

A "campanha de instinto"

... vai acabar.

Mas porquê? Se estava a obter excelentes resultados...

22 de novembro de 2005

Indisciplina na escola

Britânicos multam pais de alunos violentos

Os pais dos alunos com comportamentos violentos nas escolas britânicas podem ser multados até mil libras (1450 euros), segundo regras da nova reforma escolar, anunciou a secretária de Estado para as Escolas, Jacqui Smith.
"As intimidações verbais e físicas não podem continuar a ser toleradas nas nossas escolas, sejam quais forem as motivações", sublinhou a secretária de Estado, quando apresentava a semana de acção antiviolência na escola, que se inicia hoje na Grã-Bretanha, depois de vários casos problemáticos. "As crianças têm de distinguir o bem do mal e saber que haverá consequências se ultrapassarem a fronteira", disse.
Jacqui Smith garantiu "As novas regras transmitem aos pais uma mensagem bem clara para que percebam que a escola não vai tolerar que eles não assumam as suas responsabilidades em caso de comportamento violento dos seus filhos." As novas regras dão ainda aos professores um direito "claro" de submeter os alunos à disciplina e de usar a força de modo razoável para a obter, se necessário.

Esta terceira via é surpreendente, hem?

21 de novembro de 2005

20 de novembro de 2005

Bagdade-sous-Bois


Este desgraçado mais não faz que dar corpo à imensa revolta que o roi pela forma infra-humana como é tratado em França, onde vive num bairro degradado como o da foto seguinte.

Por isso, quando cai a noite, vai-se aos carros dos vizinhos e deita-lhes o fogo. E, quando pode, incendeia também os ginásios, as escolas e as bibliotecas que os franceses tiveram o desplante de lhe construir à porta de casa.
Perceba algumas das razões para a revolta dos jovens nesta foto reportagem da Visão.

Futebol

Não restam dúvidas que este homem se esforçou.
Faltou-lhe foi equipa.

19 de novembro de 2005

Há que apoiar a greve

As palermices dos sindicatos de professores levam a que a rapaziada desate a escrever coisas como esta, publicada no Independente de hoje, 18, e assinada por Miguel Beleza.

Os professores têm razão

A ministra da Educação não gosta dos professores. Há pouco vio­lentou-os, obrigando-os a fazer exames. Não é justo. O facto de os alu­nos e os pais poderem perder um ano não tem qualquer importância face às legítimas e nada corporativas razões dos professores. Segundo li, vi e ouvi, a ministra prepara-se agora para aumentar o horário de trabalho dos professores para 29 (!) horas por semana, e substituir professores que faltam. É injusto. Vinte e nove horas é pouco menos do que eu próprio tra­balho durante dois ou três dias e é claramente preferível que os alunos aproveitem para descansar durante as inúmeras horas de aula em que o pro­fessor titular é obrigado a faltar por razões totalmente legítimas.
Mas há pior. A ministra quer que os professores se fixem nas escolas por três ou quatro anos. Além da monotonia que para eles significa vários anos na mesma escola, retira aos professores o prazer de ter de mudar de alojamento com tanta frequência. Por outro lado, é sabi­do que há toda a vantagem em que os alunos sejam sujeitos a diferentes pro­fessores todos os anos. Evita-se assim, por exemplo, a permanência de pro­fessores mais aborrecidos ou piores pedagogos durante mais de um ano. Além disso, mudar todos os anos de professor aumenta a capacidade dos alu­nos de se adaptarem a situações novas.
Finalmente, e ao que parece, a ministra prepara-se para copiar o que acontece à generalidade dos traba­lhadores portugueses. Quando un dos cônjuges ou equivalente é colo­cado noutro local, têm que resolver o problema. É uma medida de combate à família, ao arrepio das anun­ciadas intenções governamentais.
Há que apoiar a greve.


Realmente! Se tivesse lido isto mais cedo, também eu teria apoiado a greve.

18 de novembro de 2005

Faltas de Professores

Há alguns dias, numa reunião, o senhor Secretário de Estado da Educação mostrou-nos os números relativos ao absentismo docente e deu a entender que os poderia vir a tornar públicos. Nenhum dos presentes se mostrou surpreendido com os números, já que convivemos quotidianamente com esta realidade.
Mas não há dúvida que este quadro envergonha toda a nossa classe.

Soraia Chaves

disse que

quando filmou estas cenas do "Crime do Padre Amaro"
(fotos da Sábado)

Não sei como é que este "Padre Amaro" se "arranjou", mas uma coisa é certa: vamos ter que definir um novo significado para "tocar".

17 de novembro de 2005

O "protocolo" ME - FNE

É, na generalidade, utópico. Veja-se:
  • Planos de recuperação e de acompanhamento dos alunos (?)
  • Valorização da escola pública do 1.º ciclo do ensino básico (?) - porquê só a pública?
  • Instalação de espaços de trabalho para professores (?)
  • Fornecimento de meios tecnológicos actualizados, designadamente computadores portáteis e kits multimédia, para apoio do trabalho dos professores (?)
Livra!!!

Mas no ponto 6 os professores marcam uns pontinhos. Lá isso marcam.
E vai dar muito trabalho refazer a distribuição de serviço...

(Leia o protocolo aqui)

16 de novembro de 2005

Inglês no Básico

Pode criticar-se esta medida de muitas formas:
Porque não é proritária;
Porque é inconsequente;
Porque é despesista;

Mas é uma perfeita idiotice, concordando embora com a medida, clamar por professores com formação pedagógica específica para os 3º e 4º anos de escolaridade. Quem os forma?

Sindicatos...

Desenvolvimento psicossexual

Pois é!
Também eu fui dos que tiveram que fazer pela vida.
Estes putos de agora...

(isto é capaz de ser o velho pecado da inveja...)

15 de novembro de 2005

Subsidiar a delinquência étnica

... os dirigentes europeus, so­bretudo os franceses, esqueceram-se dos seus países, das suas economias, das su­as sociedades.
Alimentaram um "Estado social" falido, injusto, improdutivo e de colossal desperdício.
Deixaram crescer e consolidar-se sociedades racistas e xenó­fobas, em que brancos e pretos, cristãos e muçulmanos, são igualmente portado­res de preconceitos e ódio.
E subsidia­ram a delinquência étnica.
Culparam os brancos e os europeus pelos crimes dos imigrantes.
"Compreenderam" e justificaram a violência, desde que esta seja de autoria minoritária, estrangeira ou até francesa de origem étnica.
Não perceberam que as instituições de socialização, as igrejas, as empresas e a escola deixaram de cumprir essas funções.
E, como alguém me fez notar, desmantelaram o serviço militar obriga­tório que poderia ter desempenhado, em países de imigração, uma notável função integradora.
Organizaram um "modelo social europeu" que serve para pagar a exclusão e que é também uma escola de fraude e uma recompensa à inutilidade.
Quando não ao crime e à violência.
...

Calma aí. Isto não é meu (excepto os negritos). Eu não tenho "pinta" para descrever desta forma tão sintética e tão acutilante o percurso que temos feito - o do primado do "politicamente correcto". Isto é um excerto do artigo de António Barreto no Público de 13/11/05.
Como diria um grande amigo, eu subscrevo por baixo.

13 de novembro de 2005

O Pintas

Lembram-se de uns cachorrinhos que alguém abandonou à minha porta?
Pois resolvemos ir buscar o Pintas para fazer companhia ao Max. Talvez o ajude a ultrapassar a depressão.

12 de novembro de 2005

Concurso de Professores

- Ai a senhora é professora efectiva?
- Ai todos os dias tem de fazer 60 quilómetros para ir trabalhar?
- Ai na localidade onde habita há vagas?
- Ai são de professores que estão requisitados ou destacados para outras funções?
- Então são vagas que não vêm a concurso para efectivos, não é?
- Ah! Mas podia ir para a sua terra por destacamento, é isso?
- E ficaria lá durante 4 anos?
- Pois é! Estou a ver. Mas não pode. Sabe, nós queremos acabar com os destacamentos todos.

Nós queremos continuar com a aberração de dar preferência aos professores menos graduados!

11 de novembro de 2005

Insucesso Escolar no Superior


Senhor Ministro,
Queira aceitar estas simples sugestões:
  1. Quando um aluno revele dificuldades, deve ser-lhe proporcionado um "plano de recuperação";
  2. A avaliação deve ter em conta o "ponto de partida" do aluno - o importante é o percurso/processo e não o produto final;
  3. A reprovação deve constituir-se como uma decisão excepcional e deve ser devidamente fundamentada;
  4. A decisão de uma segunda reprovação deverá ser tomada tendo em conta o parecer vinculativo, escrito, do Encarregado de Educação;
  5. Quando um aluno se encontre a repetir um determinado ano, ou disciplina, deverá ser sujeito a um "plano de acompanhamento";
  6. No final de cada ano, cada faculdade deverá enviar ao Ministério um relatório onde conste o número de alunos (1) reprovados tendo beneficiado de "plano de recuperação", (2) reprovados não tendo beneficiado de "plano de recuperação", e (3) reprovados tendo beneficiado de "plano de acompanhamento";
  7. As faltas às aulas devem, mensalmente, ser enviadas aos Encarregados de Educação;
  8. Nos horários dos professores deverão ser marcadas "horas de trabalho no estabelecimento", durante as quais estes estarão disponíveis para realizar outras tarefas.
Faça isto, Senhor Ministro.
Vai ver que o insucesso baixa drasticamente. É histórico...

10 de novembro de 2005

Paulo Pedroso

Tomei nota, Senhora Dona Ana Gomes.
E acredito!

Paulo Pedroso vai ser um dia Primeiro Ministro de Portugal.

Pedofilia na Casa Pia

O Tribunal da Relação decidiu não pronunciar Paulo Pedroso por nenhum dos 23 crimes de que era acusado. Ao que parece, as provas apresentadas não eram credíveis.
Mas as testemunhas não são as mesmas que acusam os outros? Então, se não são credíveis para uns, como poderão ser para os outros?
Não seria melhor arquivar o caso e mandar a malta toda para casa?
A continuar o julgamento, corre-se o risco de descredibilizar, ainda mais, a Justiça.

Prevejo que se irá concluir que nunca houve pedifilia na Casa Pia e que ainda iremos pagar chorudas indemenizações...

9 de novembro de 2005

Normalidade


Tudo dentro da normalidade, diz a PJ.

Ai então já é normal queimar carros?

8 de novembro de 2005

França

Este homem tem estado muito caladinho...

Pois é! Ele sabe que está a capitalizar.

Quantos mais franceses passarão a votar na Frente Nacional?

Nu integral



Será caro?

6 de novembro de 2005

Feira dos Santos


(vista MUITO parcial)
Uma vez por ano, no primeiro Domingo de Novembro (e no Sábado que o antecede) é este mar de gente.
Antigamente, era, sobretudo, a carne de porco - as febras - que fazia "mover" o pessoal. Agora é a roupa. Toda das melhores marcas...

(actualizado no "Pensar Mangualde")

5 de novembro de 2005

Música

A Sulista diz que esta música (que a mim me recorda aviões) lhe lembra o Tom Cruise... vá-se lá saber porquê...
A mim recorda-me esta bomba...

... e os tempos em que este modelo clássico...

... era um verdadeiro avião de combate.

Há músicas...

... que me lembram aviões...
A vocês não?

4 de novembro de 2005

Violência urbana

Nos arredores de Paris.


Desde o início do ano, cerca de 28 mil carros foram incendiados por grupos de marginais.
Nos últimos dias a violência atingiu um novo patamar. Nem as creches foram poupadas! Tudo é queimado. Tudo é destruído.

E, como resultado... voilá...

Os marginais ganharam o estatuto de parceiros!
Bem, ainda agora na RTP, um jornalista português dizia que "a acção da polícia só tem piorado a situação, uma vez que constitui uma provocação para os jovens".
Pois! O que são precisas são novas políticas de integração. Pagar para que eles não "chateiem".
Isto não será uma nova forma de imposto revolucionário?

3 de novembro de 2005

Xadrez


Agora fazem-se buscas em casa de cidadãos que não são suspeitos.

Que raio de país!