27 de dezembro de 2010

R.I.P.

.


Companheiro de longos anos e momentos inesquecíveis.
Um sobrevivente.
E, mais que tudo, o meu cão. Aquele que antecipava as maiores idiotices dos nossos políticos e outros.




Que corra pelos campos do infinito.

15 de dezembro de 2010

Uma boa notícia


Até há bem pouco, não havia inquérito feito em escola que não concluísse que os miúdos, mas todos, já tinham consumido várias espécies de drogas, tabaco e tudo quanto é álcool. No sexo, então, era só experiência feita de intensa prática.
Era muito moderno responder "sim"...

Nunca cri.

(Isto virá do PISA?)

9 de dezembro de 2010

Responsabilidade civil e criminal

Do Programa de Educação Física do 3.º Ciclo:
Compor, realizar e analisar, da Ginástica, as destrezas elementares de acrobacia, dos saltos, do solo e dos outros aparelhos, em esquemas individuais e ou de grupo, aplicando os critérios de correcção técnica, expressão e combinação, e apreciando os esquemas de acordo com esses critérios.

A miúda faz o salto... cai mal... e...

Professor condenado a indemnizar em 75 mil euros aluna que sofreu lesões graves em salto mortal.

É trágico, obviamente, mas...
Estamos condenados a fazer seguros?

6 de dezembro de 2010

Relegado, uma ova!

O homem até subiu.
Na lógica socrática, será visto como melhoria extraordinária.

22 de novembro de 2010

Goleada

Com reconhecido humor, JCD é terrivelmente certeiro.

Mas, atenção, não se pode reduzir o dito "Estado Social" a Educação, Saúde e Segurança Social. De resto, o peso destes serviços públicos fica muito abaixo de metade do valor do Orçamento do Estado.
O problema são as perversões do sistema.
O grande problema do nosso Estado Social são os socialistas.

18 de novembro de 2010

O que ele disse já não interessa



Interessa o que ele agora diz: que, de 2003 até hoje, a dívida externa passou de 50 para 90%.
E quem é o responsável?
Ora, é isso mesmo: o homem que ele próprio pôs no governo através de um golpe constitucional.

Portugal - Espanha

Dos jogadores que alinharam pela nossa selecção, quais é que não foram, ou não são, do SCP?
E do SLB?

15 de novembro de 2010

O combate ao aumento da despesa pública...

... faz-se com medidas impopulares, mas corajosas.

É desta forma que, desde que foi anunciado o PEC III, o Governo apenas fez 270 nomeações políticas.
Um número que, bem se vê, fica muito abaixo dos do tempo em que o Primeiro-Ministro nomeava 12 (doze) motoristas. Quer dizer, 12 duma assentada!

Sem qualquer dúvida, José Sócrates é o campeão do combate à despesa pública.

11 de novembro de 2010

O aviso estava feito

Há 2 anos, Novembro de 2008, já o Financial Times classificava Teixeira dos Santos como o pior ministro das finanças da União Europeia.


Como agora ficou escancarado, não se enganaram nada.
Com também acertaram com o ministro Irlandês - penúltimo.
E com o Espanhol - antepenúltimo.
Só deram bronca com o Grego. Mas esses aldrabavam as contas... Ou melhor, ainda aldrabavam mais as contas!

10 de novembro de 2010

Uma força da natureza


Com tanta força, mas com tanta força, com um tal vigor que... destruiu o País!

Andam por aí uns tipos a dizer que não. Que a culpa da falência foi a crise internacional. Pois... mas:
Não foi a crise internacional nos mandou andar, anos e anos, a dar pensões completas a tipos com 52 anos de idade.
Não foi a crise internacional que nos mandou tomar medidas imbecis e despesistas, por exemplo, na Educação.
Não foi a crise internacional que nos mandou criar empresas públicas que acumulam prejuízos e pagam régios prémios de desempenho aos gestores.
Não foi a crise internacional que nos mandou duplicar serviços da Administração Pública com a única finalidade de colocar "boys" com gostos caros.
Não foi a crise internacional que nos mandou construir estádios faraónicos onde ninguém vai.
Não foi a crise internacional que nos mandou construir autoestradas de três faixas onde ninguém passa.
Não foi a crise internacional que nos mandou negociar concessões, por exemplo, de autoestradas, independentemente do número de utilizadores.
...
Não. Não foi a crise. A crise só apressou o triste desenlace.
Quem mandou foi a "força da natureza".

7 de novembro de 2010

Responsabilidade civil e criminal

Vitalino apela à prudência e mostra-se "perplexo".
Vieira da Silva diz que não entende; que lhe escapa à compreensão.


Mas, verdadeiramente, o que estes e outros socialistas não entendem é que o dinheiro que gerem não é deles; é dos contribuintes!
Ora, quem gere mal não pode deixar de ser responsabilizado. E não o pode ser apenas na urna dos votos.

Enquanto não o forem, continuarão a comprar submarinos às motaengiles dos amigos. A montar uma frota colossal. A Parque Escolar já lá tem 4.

6 de novembro de 2010

4 submarinos 4

É aqui que se percebe que estes submarinos são dos bons.
Sabe-se que o submarino, por definição e vocação, é um veículo furtivo. Mas estes são muito mais. São disfarçados e, mesmo, ocultos.
Mas que lá estão, estão!

4 de novembro de 2010

Receitas para a crise

Embora me pareça que esta crise vai ser pior que a de então, talvez algumas receitas ainda possam ter utilidade...

Nota:
Não conte encontrar os alimentos a este preço. É que o IVA foi e será aumentado.


1 de novembro de 2010

Poupar no farelo


É certo que Lei é Lei.
É para cumprir e, sendo o caso, é para corrigir aquilo que não tiver sido devidamente cumprido.
Ora, sendo certo que é bem possível que nem todas as escolas tenham aplicado as regras de reposicionamento na carreira como agora se vem explicar - aqui e aqui - não será menos certo que muito poucos docentes terão sido "beneficiados" por uma eventual interpertração mais "generosa" das leis.
Para cada um destes professores, ao nível individual, poderá estar em causa muito dinheiro, mas, no contexto do País... estamos a falar de "peanuts". Farelo.
Não seria melhor o Governo preocupar-se com alguma farinha resultante de reposicionamentos salariais como estes ou estes?

Bem sei que estes são bons rapazes, malta amiga, mas, cum raio...

30 de outubro de 2010

A morte de Sócrates


Foi o título que Henrique Raposo deu a este incisivo artigo.
Mas o título está errado.
Sócrates, o "nosso", não morreu.
Quem faleceu foi a moral, a ética e a dignidade. Um caso de homicídio!

25 de outubro de 2010

Tarde e a más horas

A "Área de Projecto" e o "Estudo Acompanhado", jóias da coroa do eduquês, laboriosamente impostas pela inefável Ana Benavente, (Deus a guarde... lá bem longe), no já longínquo ano de 2001, vão acabar.
Por razões financeiras, como bem se percebe.
E é pena.
Não que acabem, já que nunca deveriam ter visto a luz. O que é pena é que acabem por razões orçamentais.
Pois se "
O impacto da Área Projecto nos resultados de aprendizagem não ficou demonstrado em vários estudos que se realizaram sobre esta matéria"...
Então, se houve vários estudos... se nunca surgiram evidências de efeitos benéficos... então, foi preciso esperar pelo descalabro para acabar com este pedaço de tralha pedagógica?
Ora porra!

(Bom, mas antes tarde... que nunca)

Junta-te aos maus...

... e serás pior que eles!

19 de outubro de 2010

Tem a palavra o candidato Poeta

É o momento certo para Manuel Alegre "chamar à pedra" os responsáveis do partido que o apoia, levando-os a viabiliziar o Orçamento. Ou não???

18 de outubro de 2010

Esta, sim!

OE2011 obriga bebés a tirar cartão do cidadão

Os bebés vão ser obrigados a tirar o cartão do cidadão, para poderem ser considerados dependentes dos pais, para efeitos de declaração de rendimentos.
De acordo com a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2011, a que a Agência Financeira teve acesso, haverá uma alteração ao Código do IRS onde se prevê que, para serem considerados dependentes, os filhos dos sujeitos passivos de imposto têm de estar «devidamente identificados pelo número fiscal de contribuinte na declaração de rendimentos».
Para que possam ter número de contribuinte, as crianças e bebés terão assim de tirar o cartão do cidadão. Se não o fizerem, os pais não poderão beneficiar das deduções automáticas a que têm direito pelos filhos.

Ah, faneca!!!

14 de outubro de 2010

Pronto, vá lá...

Este, e outros tipos, são capazes de ter razão.
A melhor opção é capaz de ser mesmo a da viabilização do Orçamento.
Mas só se for "no escuro"!

12 de outubro de 2010

No escuro

Vários, mesmo muitos, notáveis do PSD insistem em que Pedro Passos Coelho deve anunciar que não inviabilizará o Orçamento de Estado. E que o deve fazer já. No escuro. Imediatamente. Sem sequer o conhecer.
E dizem mais: que não o deve discutir; que não o deve negociar; que não deve, sequer, fazer qualquer sugestão.
Para estes notáveis, PPC deve, com toda a clareza, anunciar que não votará contra o que quer que seja que o Partido Socialista venha a apresentar na proposta de Orçamento de Estado para 2011.

Percebo bem o alcance: desta forma, o PSD dá todo o campo ao PS para aplicar as suas "receitas", impedindo-o de, amanhã, vir reclamar que a coisa não funcionou porque o PSD impediu isto ou aquilo. Ou seja, não haverá tango, nem paso doble, nem sequer um foxtrot. Sócrates dançará sozinho.
Percebo bem a lógica desta estratégia - a da conquista do poder.

Percebo, mas não concordo.

E não concordo porque, conhecendo nós José Sócrates e respectiva entourage, sabemos bem que quando o PSD chegar ao poder, nada restará para governar. Apenas uma dívida absolutamente irresolúvel e uma enorme legião de pobres e empobrecidos.

E isto é que nos deve preocupar.

11 de outubro de 2010

Chumbar ou não chumbar...

O professor Marcelo, como também, e muito antes, Manuela Ferreira Leite, defende que se o OE não for viabilizado, logo no dia seguinte ao chumbo o rating da dívida soberana nacional vem por aí abaixo com todo o tipo de consequências desastrosas e... é o fim!
Até pode ser que tenha razão. Ele e os muitos que agora andam por aí na defesa da “responsabilidade” e do “sentido de estado”. Até pode ser…
Mas eu … eu duvido!
Então, será que os tipos que nos têm emprestado dinheiro - e que andam aflitos para saber se lhes pagamos - não têm a noção que o nosso governo é composto por uma cambada de tipos que são tão incompetentes que nem sabem explicar como é que a despesa pública aumentou mesmo depois de terem tomado medidas para a reduzir?
Será que não ficavam mais tranquilos se esta corja fosse corrida?
Não será mesmo por isso que o nosso rating continuou a descer mesmo depois do anúncio do PEC3?

Fosse eu o credor...

10 de outubro de 2010

Estamos safos!

Vem aí o campeão da democracia, o guru da economia, o mestre das finanças.
Vem aí o SALVADOR!

9 de outubro de 2010

Só um doido


Como é possível um tipo decretar um aumento de 2% no IVA e esperar que os produtos não aumentem de preço?
Ná! Isto só vem dar razão aos que dizem que estes tipos vivem num estado de semi-consciência.

8 de outubro de 2010

Não, Dr.ª Manuela

Desta vez não concordo consigo.
Pelo que se conhece, este Orçamento é mau de mais para poder ser viabilizado. E, como já não podemos ir para pior do que já estamos, o melhor é acabar já com esta tralha toda.
O PSD deve votar contra!

6 de outubro de 2010

Uns burros

Estes tipos do FMI são umas abéculas. Vêm acenar com um cenário negro mesmo depois de saberem que S&S - Sócrates e Santos - decretaram que vai haver um crescimento de 0,5%.

Enfim, uns burros!

5 de outubro de 2010

A "gordura" do Estado

Olhai para mim a concordar com um socialista. Uma coisa cada vez mais rara.
Mas Henrique Neto tem toda a razão: na gordura do Estado, onde se instala a clientela, Sócrates não se atreve a cortar.
E, todavia, eliminar as Empresas Públicas deficitárias, as municipais e os Institutos improdutivos e imprestáveis, é a única forma de conter a despesa pública.
E não se venha dizer que não se avança por aí porque não produz efeitos imediatos. É verdade que os efeitos não se sentiriam desde logo. É verdade que teríamos algum desemprego - embora fosse, sobretudo, ao nível dos administradores e quadros superiores, que são o que mais abunda nestas "gorduras", já que, muitas delas, nem pessoal de base têm. Mas, a prazo, de quantos "mil milhões" estamos a falar?

Por isso, entendo que será uma derrota para os portugueses se, desgraçadamente, o PSD vier a viabilizar o Orçamento, sem que o PS explicite a lista de entidades e organismos a extinguir. E COM PRAZOS definidos.

1 de outubro de 2010

Eu também renuncio

Ao bem-estar que o nosso Estado, esforçadamente, me tem proporcionado.
Neste momento de sacríficos, exige-se que todos renunciemos. E já!

A pressão insuportável dos mercados financeiros

Socialistas, jornalistas, comentadores e outros paineleiros repetem incessantemente que Portugal está a sofrer a "chantagem dos agiotas dos mercados financeiros".
Só que ninguém explica por que razão passamos o tempo a recorrer aos tais "agiotas".

30 de setembro de 2010

"Chegou o momento de agir"

Chegou, sim. Mas não foi agora que chegou. Já foi há muito tempo. Já toda a gente sabia, menos o senhor Primeiro-Ministro.
Mas, já que demorou tanto, podia, ao menos, ter aproveitado o tempo para estudar a matéria e não vir fazer a esta porcaria que só desgraça o País.
Ó senhor, estas medidas não resolvem coisa nenhuma!
São balões de oxigénio para um sistema em estado terminal. Apenas adiam o inevitável, já que apenas visam aspectos conjunturais - orçamentais. O défice deste ano, e o do próximo, sim, serão diminuídos, mas os problemas estruturais, os tais que estão na base do colapso, esses permanecerão praticamente sem alterações.
E digo "praticamente", porque as duas últimas medidas listadas são:
  • Extinguir/fundir organismos da Administração Pública directa e indirecta;
  • Reorganizar e racionalizar o Setor Empresarial do Estado reduzindo o número de entidades e o número de cargos dirigentes.

Aqui, sim, vê-se alguma preocupação com o gigantismo do Estado. Falta só ver se aqui são incluídas as "fundações", as "entidades reguladoras", os "institutos públicos", a malta que se senta à mesa do Orçamento, e, sobretudo, se aqui estarão as famosas empresas públicas deficitárias. Se estiverem... ...

...

Agora, duas notas de desprezo:

  • Um homem que diz "O povo tem que sofrer as crises como o Governo as sofre", que foi o que disse Almeida Santos, é um palerma.
  • A jogada do fundo de pensões da PT - que no tempo de Ferreira Leite mereceu dos socialistas os maiores vitupérios - não é para ajudar a pagar os submarinos contratualizados em 2004. O que pode ser é para ajudar a pagar os submarinos encomendados por Guterres e renegociados, para quase metade, por Portas. Isto sim, senhor ministro. Já foi contagiado pelo patrão com o vírus da mentira?

28 de setembro de 2010

A institucionalização da MENTIRA


Miguel Sousa Tavares estava no jornal da SIC e, estranhamente, não estava a dizer asneiras. Estranhamente, repito, até estava a dizer umas coisas certas sobre o frete que o homem da OCDE tinha vindo fazer ao Governo. Estava, sim senhor.
Mas foi sol de pouca dura. Repentinamente, voltou ao seu normal e desatou a proferir um rol de imbecilidades, afirmando que os professores vão todos ganhar mais dinheiro porque o Governo "capitulou", e isto "independemente de saber se os professores tinham razão"!
Ora, de tantas vezes que MST tem falado dos professores, tem de se admitir que MST sabe do que fala; que conhece as questões; que não é um vulgar ignorante. E, assim sendo, MST sabe bem que o "acordo" foi gravoso para a maioria dos professores. Portanto, o que MST esteve a fazer foi a MENTIR. A mentir e em prime time.
MST sabe bem que apenas uma pequena parte dos professores, mesmo muito pequena, ganhou o direito a progredir na carreira em resultado do acordo assinado pelos sindicatos. A bem dizer, foram apenas os que estavam nos índices 245 e 299 e não tinham sido providos como "titulares". E, destes, apenas alguns progridem imediatamente. Os outros... aguardam!
MST tem de saber isto. Não o pode ignorar.
Miguel Sousa Tavares mentiu e fê-lo com toda a intencionalidade, visando desacreditar os professores.
MST mentiu exactamente como Sócrates mente quando visa prejudicar os portugueses.

25 de setembro de 2010

Porreiro, pá!


Se assim for, até nem me importo que me descontem no vencimento. Até pago, pá!
Ainda mais depois de mais esta vergonhosa cena. Pedro Passos já devia saber que estes tipos não são confiáveis.

21 de setembro de 2010

E o que é que isso interessa?


Já toda a gente compreendeu que Sócrates não tomará qualquer medida para "encolher" o Estado sem que a isso seja obrigado por uma instância internacional; sem que se possa vitimizar: "Por mim deixava tudo como está, mas aqueles malandros..."

Em tempo:
E, chegados a esse momento, Sócrates não mexerá nas clientelares empresas públicas deficitárias, nem nos institutos públicos, nem nas fundações privadas com dinheiros públicos, nem, sequer, nos sumptuários gastos do aparelho político.
Nada disso. Nessa altura, Sócrates investirá contra os funcionários.

20 de setembro de 2010

Grandes democracias

Em boa verdade, muitas das grandes democracias são monarquias.
Pai, filho, neto,... I, II, III,...

18 de setembro de 2010

TGV - o que falta saber

Todos sabemos, e há muito, que a construção do TGV “necessita de uma grande parcela de financiamento privado e em concreto da banca comercial”.
Também sabemos que se verificou “uma significativa e progressiva degradação da conjuntura económica e financeira de Portugal donde resultaram “dificuldades acrescidas na obtenção de fundos pela iniciativa privada e no agravamento do custo associado à obtenção do próprio financiamento”.
Isto, todos sabemos há muito.
O que ficámos a saber foi que esta evidência foi hoje reconhecida pelo Governo Socialista e plasmada em letra de Lei no Diário da República.
O que havemos de vir a saber é se este reconhecimento se ficou a dever ao estado comatoso das nossas finanças, ou ao facto de a Mota-Engil ter apresentado uma proposta que custa quase o dobro da melhor.
Isso é uma coisa que só saberemos aquando da adjudicação.

(entretanto, mantém-se a aberração do troço entre nada e sítio nenhum)

15 de setembro de 2010

Estado Social em colapso


"Há décadas", diz a ministra Canavilhas, como o dizem outras maravilhas.

É ouvir aqui.


(Não se deve perder a oportunidade de ouvir um socialista reconhecer esta evidência.)

14 de setembro de 2010

"Modernização" do Estado Social

Até tu, castro guerrilheiro, anuncias que vai ocorrer "um incremento no sector não estatal"...
Bom, por certo te terás aconselhado com outros camaradas. Chávez, certamente? Morales, idem, não?
Ah! E com Sócrates?

Duas fotos de Bragança

Estava eu a ver o Jornal da SIC, eis senão quando surgiu no ecrã a figura de Miguel Sousa Tavares. Logo fui confirmar o canal: estaria na TVI? E não. Era mesmo a SIC.
Que desgraça! O homem só dizia asneiras!
Então, para desenjoar, fui "revelar" as minhas últimas fotos. Ficam aqui duas.

Bragança

Cidadela de Bragança

6 de setembro de 2010

E qual é o problema?

Sim! Qual é o problema?

O senhor Primeiro-Ministro José Sócrates diz que isto não tem importância alguma. Diz que a economia está a crescer acima do esperado e, por isso, vai haver dinheiro para todos. E que, mesmo que não haja, pede-se emprestado e resolve-se o problema.

Abaixo estes jornais sensacionalistas e mentirosos.
Viva o senhor Primeiro-Ministro José Sócrates!

30 de agosto de 2010

Revisão constitucional

Até tu, Nobre candidato...

Isto só pode significar que a coisa está muito pior que eu pensava.

12 de agosto de 2010

Diarreia mental


Com o novo Estatuto do Aluno haverá menos violência?
Sim. As escolas irão poder reagir mais rapidamente e desta forma vão proteger o jovem de reincidir.


(lá bem no fundo, esta tirada radica no eduquês, mas está longe de se esgotar nele. Ná! Isto tem laivos de outra gravidade...)

11 de agosto de 2010

Este é um partido plural

Onde todos têm direito a opções pessoais e individuais.

Os outros é que são os filhos da puta que expulsam militantes.

Esta é mais uma cabala montada com o objectivo de caluniar o partido da seriedade. Só pode. Então, iriam expulsar o candidato poeta?
Bahhhh!

6 de agosto de 2010

Nojo no superlativo


Masters of Boston

Especial clarividência de Luís Campos e Cunha e habitual sentido de oportunidade de Paulo Guinote.
Também pela minha zona apareceram destes "masters". Repentinamente. Alguns, numas férias de verão. Iam... e voltavam "masters".
Estes são alguns dos que já muitas vezes referi, que se distribuem por todo o espectro partidário, e fazem com que, no essencial, todos estejam de acordo: em Portugal, políticas educativas, só de esquerda!

1 de agosto de 2010

Acabar com os chumbos

É uma ideia de todo defensável.
Só que exige outras medidas simultâneas.
E essas medidas não incluem os ditos "apoios" e as ditas "divisões de turmas" de que fala o pai dos pais, o eterno encarregado de educação. Bom, a não ser que se avançasse para um sistema financeiramente incomportável.
Numa lógica de racionalidade, o sistema de transição automática pressupõe que, em cada ano, se reorganizem as turmas de acordo com o grau de proficiência demonstrado pelos alunos.
E a isto, meus senhores, a malta da esquerda chamará "segregação".

Portanto, se a coisa avançar, o que teremos será uma balda completa.
Grande parte dos pais só tarde de mais se dará conta dos ignorantes que tem em casa.
Safar-se-ão, e apenas, os filhos dos pais mais atentos e interessados, o que é quase o mesmo que dizer, os pais com melhor condição económica.

No final dos finais, procurando igualizar, apenas se gerará maior desigualdade.

Helas...

20 de julho de 2010

Queres vir lá fora?

Sem prejuízo de eu achar que os tipos do Bloco são, nas mais das vezes, uns malcriados provocadores, às vezes também me apetece fazer isto.

Investigação criminal

É uma merda!
Cá temos
mais um caso para o provar:

Valentim Loureiro e filho absolvidos
A magistrada judicial não condenou nenhum dos arguidos por considerar que o Ministério Público, responsável pela acusação, o fez baseado em presunções e suposições e não em factos que conseguisse provar na audiência de julgamento.

E este é só mais um exemplo, de entre os tantos e tantos que têm vindo a lume. De resto, conheço na primeira pessoa um grupo de tipos que foram constituídos arguidos - e ainda o são - com base numa construção mental elaborada, naquele tão mediático ímpeto justicialista, pelo investigador da Judiciária, sem suporte em qualquer factualidade.

É por isso que
concordo com Valentim Loureiro: Senhor Procurador, vá ver o que fazem os investigadores criminais. Vá.
Espera aí. O procurador já não é aquele Pinto Monteiro, pois não?

12 de julho de 2010

24 Horas de BTT de Viseu - 2010

Muito boa classificação - 3.º lugar - da equipa do DáGás Club de Mangualde, integrando o meu Pedro.
Estive lá um pedaço e fiz uns "instantâneos".
Mas, em pouco tempo, fui forçado a vir embora. É que, para além do calor abrasador, o nível de humidade andava perto dos 100%: aqueles tipos transpiram a sério!!!

10 de julho de 2010

O Esplendor de Portugal

Continua imperdível.
Cada programa é uma ode à imbecilidade.
Na passada quinta-feira, a propósito dos confrontos entre gangs, dizia Juan Goldín:

Historicamente, a praia do Tamariz [Cascais] era a praia dos pretos.

4 de julho de 2010

Macho, procura-se


Para finalidade procriativa.
Deve ser de raça Fox Terrier (wire haired) e deve ser muito, mas mesmo muito, macho.
É que a Maria de Lurdes - carinhosamente "Milu" - embora virgem, tem-se mostrado terrivelmente selectiva.

Propostas, com foto, para azurara@gmail.com.


PS:

A foto é enganadora.
A Milu estava "de trombas" porque, na festa dos 50 anos da patroa, não podia ser seu o estatuto de "estrela da companhia".

3 de julho de 2010

Que nojeira!

Olha que coisa tão miseravelmente miserável encontrei aqui:
"Levas o prémio mas passas um recibo de prestação de serviços".
Uauuuu!

2 de julho de 2010

Crucificai-o!

Quando Ronaldo levanta a cabeça para fazer um passe ou cruzamento, costuma vislumbrar Rooney, ou Giggs, ou Anderson, ou Higuain, ou Kaka, ou Raul, ou...
Na selecção, Ronaldo levanta a cabeça e... quem vê?
Pois é...
E depois de Almeida saír passou a ver só... o Queirós!!!
Eu também me "passaria". Com uma única diferença: mandava a selecção à merda. E de vez!
Afinal de contas, para que andaria ali a desvalorizar a mercadoria?

30 de junho de 2010

O azar persegue-nos

Não fossem as lesões - de Duda e Ruben Amorim - e Queirós poderia ter prescindido de Ronaldo e Hugo Almeida.
Aí sim, a equipa portuguesa apresentar-se-ia com reforçada capacidade de marcar golos!
Apesar de tudo, salvou-se a inteligência de Carlos Queirós quando, com o jogo absolutamente controlado, sacrificou o ponta-de-lança para dispor de mais um "médio criativo". Foi brilhante!

28 de junho de 2010

Aprenda, Sr. Primeiro-Ministro

Isso mesmo.
Peça ajuda aqui ao senhor Vieira. Pergunte-lhe como se faz.
É que ele endivida o clube, mais e mais, e, se for preciso, mais ainda, mas, pelo menos, consegue que o clube vá ganhando. Já o senhor...

26 de junho de 2010

Mais uma análise apalermada

Pontuando, de 1 a 10, os jogadores da equipa portuguesa de futebol no jonto contra a do Brasil, escreve o senhor Hugo Daniel Sousa:

Cristiano Ronaldo 6
Escolhido pela terceira vez como melhor em campo no site da FIFA, voltou a não justificar esse prémio. É certo que nem sempre os companheiros o serviram bem e que colocou em sentido a defesa brasileira, mas esqueceu-se de jogar mais vezes para a equipa. E a pontaria está muito desafinada.

Mas como é que Cristiano pode "jogar mais vezes para a equipa", se o Queirós colocou a equipa toda lá atrás e o deixou sozinho a segurar 3 defesas?
Este comentador deve ser daqueles que acham que o Ronaldo deve vir buscar a bola à defesa... correr o campo todo... fazer o cruzamento... chegar a tempo de receber o seu próprio passe e... marcar!
O vale é que, pelo menos desta vez, a FIFA não viu o futebol pelo olho do cu.

24 de junho de 2010

Que cavalada!


Contrariamente aos socialistas, sempre defendi o princípio do "utilizador-pagador", com isenções para tráfego local. E a ideia do chip era - é - muito inteligente para agilizar as isenções.

Uma cambada!

21 de junho de 2010

Jobs for the boys

Leio aqui que:

Mário Lino, o ex-ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações é o novo presidente do conselho fiscal das companhias de seguros do grupo Caixa Geral de Depósitos, que era ocupado pelo falecido Saldanha Sanches.

Saldanha Sanches? E esta, hem?

20 de junho de 2010

Saramago: "Dios no es de fiar"

Em entrevista a José Saramago, pergunta José Rodrigues dos Santos:

Falemos sobre «Caím» é um livro que suscitou polémica ainda antes de ser publicado… eu devo dizer que o li… devo ter sido das primeiras pessoas a lê-lo, e confesso que depois de o ler acho que não teria havido polémica, se as pessoas o tivessem lido primeiro, no entanto há aqui algumas coisas que merecem algumas questões; Este livro chama a Deus na página 82 «Filho da puta», estou a usar a sua expressão, na pág. 85 «Rancoroso», «Cruel» na pág. 86, «Invejoso» na 90, «Maldoso» na 106 e 116, e «Louco» na 136, não acha que se excedeu um pouco? É verdade que estas situações estão retiradas fora do contexto, mas mesmo no contexto não acha que pode usar um pouco o gratuito?

E responde Saramago:
Gratuito? Não… bem tirando o «filho da puta», que realmente poderia não o ter escrito, é que nem sequer pode ser filho da puta … Deus não tem Mãe nem tem Pai, não tem nada disso, bem aí talvez… reconheco que posso ter-me excedido. Agora no resto? Rancoroso? Francamente! Implacavél? Cruel? É em cada página (…)


Isto pode ser visto e ouvido no vídeo que linko abaixo. Não é preciso ouvir tudo. Basta colocar o cursor nos 19 minutos.
Pronto! É a opinião do homem Saramago. Para mim, que sou católico, o homem Saramago é um louco, um maldoso e um perturbado, ao mesmo tempo que o escritor Saramago é um artista genial. Digo eu, que "devorei" quase todos os seus livros. Pena que o homem e o escritor sejam duas diferentes e distantes entidades. Ponto final.

O que me espanta, é ver, por este país fora, um punhado de católicos - daqueles de militar nas obras e movimentos da Igreja, sempre a bater com a mão no peito - indignar-se com a ausência do presidente Cavaco Silva nas exéquias. Bem sei que estamos num período de estertor em que tudo se aproveita. Mas, caramba, há coisas que só à estalada.

(agora que pequei, vou a correr confessar-me)

19 de junho de 2010

Frases que ficam



João Semedo para Ricardo Rodrigues:

A verdade não se pode meter nos bolsos, senhor deputado.




Júlio Machado Vaz na Antena 1:

Num país em que a ministra da saúde recomenda o sexo para combater a hipertensão, a masturbação tem de ser considerada "genérico".

16 de junho de 2010

Mapa do ACP

Recebi-o hoje.
E, olhando com atenção, dá para perceber que ainda cabe mais uma autoestrada entre a A1 e a A29. Em alguns pontos será preciso muito jeitinho. Mas, se ficarem as três a par, juntinhas, cabe. Cabe, sim!

9 de junho de 2010

Assim, sim!

Se esta coisa já estivesse em prática em 2001, teria impedido que o governo grego de então - socialista - começasse a aldrabar as contas (prática que acabou por ter continuidade nos seguintes, diga-se).
E teria tornado desnecessário que um certo governador do Banco de Portugal elaborasse uma previsão do défice com um rigor até às centésimas.

(quem não gosta, melhor fará se passar a defender a saída do Euro e da União)

5 de junho de 2010

Mera coincidência, claro

Na União Europeia há 6 países com primeiros-ministros socialistas: Áustria, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Grécia e Portugal.
Contudo, os socialistas apenas governam sem coligações em 3: Espanha, Grécia e Portugal.

Há coincidências fantásticas, não há?

27 de maio de 2010

25 de maio de 2010

Bancarrota

Chegou-me à mão um artigo que Joaquim Letria publicou na sua coluna “25.ª Hora”, no jornal “24 Horas” de 4/5/2010, que pode ser lido aqui (registo prévio).
Às tantas, diz o articulista:

Estamos bem entregues! Vão-nos servindo a sopa do Sidónio, à custa dos milhões que ainda recebem da Europa, andam pelo mundo fora sem vergonha, de mão estendida, a mendigar e a rapar tachos, tratados pelos credores como caloteiros perigosos e mentirosos de má-fé.
Quando Guterres chegou ao Governo, a dívida pouco passava dos 10% do PIB. 15 anos de Guterres, Barroso, Sócrates e de muitos negócios duvidosos puseram-nos a dever 120% do PIB.


Pois é. Só que, entre 1995, quando Guterres tomou posse, e o ano de 2010, em que (ainda) somos governados por Sócrates, passaram 15 anos. E destes, o PS só não governou durante menos de 3 anos!

Bom, assim percebe-se melhor.

22 de maio de 2010

Legalizar as drogas a sério



Genial!


Quando se pensa que já está tudo inventado, que já não há mais alternativas para manter os níveis de despesa do Estado, eis que surge a verdadeira "mãe de todas as soluções": legalizar as drogas pesadas, criar empresas que as comercializem, e, obviamente, carregá-las de impostos.


À atenção, portanto, do nosso Governo.

Só faço uma recomendação:

Estas empresas que, como se infere, integram o "sector estratégico do Estado", NÃO DEVEM SER OBJECTO DE PRIVATIZAÇÃO!

21 de maio de 2010

Viva!


Parem tudo! Parem o Plano de Austeridade. Afinal não é preciso. A receita fiscal está a subir e a despesa a descer. Isto está a correr muito bem. E sem aumento dos impostos!!!

Assim, podemos avançar já, já, já com o troço de TGV entre nada e coisa nenhuma.
Viva Sócrates e o fabuloso governo de Portugal.

(BTW, quem é que compilou e publicou estes dados? Foi o INE, o Eurostat ou BdP?)

19 de maio de 2010

Julgam que descobriram a pólvora

Estes alemães devem pensar que descobriram algo de novo.

Ó meus senhores, o governo Português já faz isso há muito tempo. Aprendam!
Aqui, quando as câmaras municipais ficam mais endividadas... o Governo diminui-lhes as transferências previstas na Lei das Finanças Locais. É qualquer coisa como: "Ai deves dinheiro? Então vamos dar-te menos que é para teres mais dificuldade a pagar as dívidas".

E os que pensam que a verba retida vai abater ao montante em dívida, enganam-se: vai servir para o Governo gastar mais!

18 de maio de 2010

Homossexiens

Embora não lhe tenha perdoado por, enquanto pôde, não ter mandado de férias o nosso Tareq Aziz, aquele que, mesmo perante as evidências, continua a mentir tão convictamente que chega a acreditar na sua própria mentira, tenho de reconhecer que hoje subiu uns pontitos:



Não me parece que alguém, honestamente, possa qualificar o Reino Unido, a Alemanha, a França, a Suíça ou a Dinamarca como países retrógrados.
... ...
Os Portugueses recordam-se, certamente, de que na minha mensagem de Ano Novo alertei para o momento muito difícil em que Portugal se encontra e disse mesmo que podíamos “caminhar para uma situação explosiva”. E disse também que não é tempo de inventarmos desculpas para adiar a resolução dos problemas concretos dos Portugueses.
Há momentos na vida de um País em que a ética da responsabilidade tem de ser colocada acima das convicções pessoais de cada um.

16 de maio de 2010

Queima 2010


Meio a brincar, costumo dizer que Universidade só há uma; a de Coimbra e mais nenhuma!
(que me desculpem os tipos que cursaram na Independente)