31 de maio de 2005

A LOTARIA DO IVA

Miguel Beleza, ex-ministro das finanças, salvo erro ontem, via TV, deu uma ideia que achei fantástica: uma LOTARIA DO IVA.
Segundo ele, seria uma espécie de totomilhões para os contribuintes, isto é, para todos nós.
Para que o contribuinte se habilitasse ao sorteio, deveria guardar os seus documentos de compra. Quantos mais tivesse, mais hipóteses teria de ser sorteado e de ganhar a “massa”.
Para isso, cada factura, venda-a-dinheiro, talão de pagamento, etc., de qualquer bem ou serviço, teria impresso um número. Nós, os consumidores, iríamos coleccionando os documentos. Então, com determinada periodicidade, procedia-se ao sorteio de um número.
Achei muito interessante. Uma lotaria do IVA!!!
Diz ele que já viu isto em funcionamento num país qualquer. Gostava de saber qual. Alguém sabe?
Mais disse que os problemas que isto tem são meramente técnicos. Digo eu que são de simples resolução. De facto, todos os documentos de venda são numerados e datados, e todos quantos vendem ou prestam serviços têm um número de identificação – o número de contribuinte, que também está impresso no dito documento. Assim, bastava que o número a sortear resultasse da associação do número de contribuinte com o número do documento. Obtém-se, sempre, um número irrepetível. E, claro, seriam válidos os talões entre as datas tal e tal. Simples, a meu ver.
Será que a malta iria pedir os talões e as facturas em todo o lado?
Será que nos converteríamos todos em “bufos”?
Digam lá o que pensam.

Quem tudo quer...

Hoje não posso escrever.
Entretanto, aconselho vivamente a leitura deste post.
Vão lê-lo. É sobre impostos e o homem sabe do que fala.

30 de maio de 2005

Hans Zimmer

Broken Arrow Soundtrack - 1995

Hoje ganhou o melhor

Mas, para que fique a constar, vou aqui deixar o relato da palhaçada. Estava tudo combinado. Só que, por enquanto, os árbitros ainda não podem chutar a bola para dentro da baliza. De qualquer forma, este fez tudo o que lhe era possível. O Benfica é que só entrou na área do Setúbal uma vez - a do penalti. Então:

4 min – Geovani deixa-se cair na área à saída do guarda-redes. O árbitro, colocado no meio do campo, a cerca de 40 metros, não tem dúvida e assinala grande penalidade;
6 min – Petit, em zona frontal junto à pequena área, atrasa a bola para Moreira, que a agarra. Livre indirecto, perigosíssimo, que fica por marcar;
14 min – Manuel Fernandes pontapeia Meyong que fica a contorcer-se. O árbitro nada vê;
20 min – Simão perde a bola. Livre contra o Vitória;
21 min – Petit perde a bola. Livre contra o Vitória;
22 min – Nuno Gomes salta mas não chega à bola. Livre contra o Vitória;
23 min – O árbitro assinala a primeira falta contra o Benfica. Aplausos nas bancadas;
25 min – Alcides faz obstrução a Meyong junto à linha final. Nada;
26 min – Ricardo Rocha, no estilo clássico dos ponta-de-lança, bate Moreira sem apelo nem agravo;
29 min – Livre contra o Vitória. Jogada estudada do Benfica. Simão e Petit correm para a bola e … nenhum a chuta;
33 min – Simão agride um adversário mas é amnistiado;
34 min – Alcides cavalga Meyong. Nada;
35 min – Nuno Assis agride um adversário. Nada;
39 min – Alcides empurra ostensivamente Jorginho junto à linha fina. Nada;
40 min – “Não há Benfica no Estádio Nacional”, diz Gabriel Alves;
41 min – O árbitro interfere no jogo, impedindo Meyong de chegar à bola;
44 min – Geovani atira-se novamente para o chão. Falta contra o Vitória;

Intervalo

46 min – Bárbara agressão de Ricardo Rocha a Meyong. Nada;
50 min – Petit tenta assassinar Meyong. Nada;
53 min – Nuno Assis insiste em deixar-se cair na relva.
54 min – Fyssas sai com cara de poucos amigos;
56 min – Nuno Gomes atropela Hugo Alcântara. Cartão amarelo para o sadino;
60 min – Simão dá o braço a Jorginho arrastando-o para o chão. Cartão amarelo para o setubalense. Apesar da maca, Simão sai pelo seu pé;
64 min – Primeiro remate do Benfica em todo o jogo. Manuel Fernandes é o autor;
66 min – Nuno Gomes pontapeia a atmosfera. Segundo Gabriel Alves, por causa do vento;
68 min – O árbitro arranca um fora de jogo inexistente a Meyong;
71 min – O árbitro assinala uma falta contra o Setúbal a pedido de Nuno Gomes;
72 min – Golasso do Vitória;
74 min – Entra Mantorras;
76 min – Fabuloso remate de Geovani com a bola a descrever uma trajectória fantástica, saindo junto à bandeirola de canto;

77 min - Toda a gente se entreolha aguardando o segundo penalti da tarde;
91 min – Alcides, logo imitado por Delibasic, tenta cometer genocídio sobre toda a defesa sadina;
96 min – Fim do jogo.


O árbitro não teve hipóteses.

28 de maio de 2005

Dia de feira (medieval) nas Terras de Azurara

Decorre hoje e amanhã, Domingo, a 3ª edição da Feira Medieval, a qual tece início aquando das comemorações dos 900 da Carta de Foral. Ficam aqui algumas fotos.

A tropa nunca pode faltar nestas coisas onde se junta muito povo.

O secretariado, nos conformes como se pode ver, recebia os mercadores.

O espaço reservado para a feira incluía os largos Pedro Álvares Cabral e da Misericórdia. Mas era neste último, à sombra da Igreja, que se instalaram os principais mercadores.

Tudo se vendia e comprava. Aqui, ervas, alimárias e burros...

Aqui, passarada e aves raras.

Mas também havia animação para espairecer a alma. Cantores...

Músicos...

Bailarinas...

E acrobatas.

Por causa de uma dama particularmente fermosa, houve porrada...

Mas o cirurgião estava lá e, diga-se, apetrechado com o "estado da arte" da tecnologia.

E, ao que parece, o povo gostou da festa.

O pai do "monstro"


Na edição de amanhã do Expresso, o da direita acusa o da esquerda de ser o legítimo pai do "monstro" – o défice. Em 1989, Cadilhe era ministro das finanças de Cavaco, mas diz que o pacote legislativo que aprovou o NSR (Novo Sistema Retributivo da Função Pública) foi conduzido directamente pelo primeiro-ministro. Se a legislação é da autoria de um ou do outro, não interessa nada. O que interessa é que foi a partir de então que os funcionários públicos passaram a ter um estatuto remuneratório digno. Esta é, de resto, uma das medidas que todos nós, os funcionários públicos, devemos àquele governo do PSD.
Cavaco esteve muito bem ao aumentar a Função Pública. Terá estado mal quando manteve uma série de privilégios que deixaram de fazer sentido no novo quadro remuneratório. Nomeadamente, Cavaco manteve a progressão automática e não teve a coragem para, em simultâneo com o aumento de vencimento, fazer aprovar um sistema de avaliação consequente, verdadeiro "calcanhar de Aquiles" da Administração Pública Portuguesa.
Mas, repare-se, Sócrates não anunciou nada nesta matéria. Melhor dizendo, Sócrates só falou em aumento da receita. Não tocou na contenção da despesa. Aí o regabofe vai continuar.

27 de maio de 2005

Publicitação do IRS

Tenho lido por aí muitas críticas a esta "proclamação" do primeiro-ministro. Alega-se que visa transformar cada português num "bufo".
Ora bem, como eu não tenho nada a esconder e declaro tudo o recebo, não tenho qualquer receio de ser "bufado". E, se o for, não terei problemas em demonstrar que não fugi a qualquer imposto. Por outro lado, conheço vários casos de pessoas que fogem descaradamente ao fisco. E, contrariamente ao que por aí se faz correr, não são os grandes industriais e congéneres que mais fogem. Nada disso. São aquelas pessoas que exercem profissões liberais prestando serviços directamente ao consumidor final. Sem querer generalizar, falo de electricistas, canalizadores, pintores, estucadores, etc. Pessoas que, normalmente, declaram o rendimento mínimo nacional, mas que ganham várias vezes aquele valor. Historicamente, criámos a cultura da fuga ao imposto. "Só paga quem é burro.". Cultura que é partilhada pelos próprios funcionários tributários, que nem estranham quando lêem a declaração de um tipo que sabem que tem uma fantástica vivenda, ganha com o salário mínimo nacional. Milagres...
É preciso combater esta cultura. Pagar impostos é um acto de cidadania!
Nesta lógica, publiquem-se, também através da Internet, as declarações de IRS.
E vivam os bufos!

Jonh Williams


Hoje fui ver o Episode III do Star Wars.
Por isso, alterei o meu soundtrack. Não gosto muito do John Williams. É tudo muito parecido. Indiana Jones, Star Wars, Fanfarra dos Jogos Olímpicos... Mas fica aqui. Por uns dias.

Uma história de merda

É aquela que aqui vou contar. Vem a propósito do Mocho ter ripostado ao meu post anterior dizendo que a avenida cheira àquela coisa. É uma história longa, mas não há outra maneira de a contar. Interessa especialmente aos daqui, mas, eventualmente, pode aplicar-se a outros protagonistas noutras cidades e vilas deste país. Vamos lá então:

Era uma vez um autarca socialista. Tinha ganho as eleições em Mangualde com escassos 11 votos de vantagem. Não tinha maioria, mas isso não o atrapalhou. Era um jovem brilhante, dotado de invulgar perspicácia e de uma notável capacidade de argumentação, qualidades que utilizava para aumentar o seu natural magnetismo. Governou durante 18 anos, tendo começado numa época muito especial. Uma época em que era fácil mostrar “obra” porque TUDO estava por fazer. Além disso, teve a felicidade de apanhar a fase da primeira transferência de competências para o poder local, a Lei das Finanças Locais, e, melhor que tudo, o grande “boom” dos “fundos da CEE”. Naquele tempo havia dinheiro para tudo, fosse para a Câmara, fosse para as empresas. Uma época, irrepetível, de franco desenvolvimento. Desta forma, o autarca granjeou uma admiração, uma aura, uma verdadeira mística, à qual poucos se podem gabar de terem permanecido indiferentes. O próprio Azurara se deixou conquistar e, durante algum tempo, deu a cara por aquele projecto.
Um belo dia, o autarca acordou pela manhã e interrogou-se: então, o que é que vou fazer hoje? Ah, já sei! Vou fazer uma avenida direitinha à Senhora do Castelo.
E se bem o pensou, mais depressa o fez. Num instantinho, lá se rasgou a nova avenida. Ficou linda! É claro que tinha alguns problemas: não ia dar a lado nenhum, não tinha saída, não tinha drenagem de águas pluviais e não estava dimensionada para suportar grandes cargas. Mas eram tudo coisas que não se viam. Por isso, o povo gostou e recompensou-o com muitos votos.
Passados alguns anos, um promotor imobiliário pediu autorização para construir, com frente para a avenida, um conjunto de edifícios de apartamentos (os alaranjados que se vêem na foto e que marcam o primeiro quarto da avenida). Que sim, disse o autarca. Só que, na pressa com a construção da dita artéria, além dos outros pormenores já referidos, o autarca deu conta que se havia esquecido das canalizações de água e esgotos (dizia-se que os esgotos não davam votos porque ficavam enterrados) e da electricidade. Mas isso não o fez indeferir o pedido de construção. Pelo contrário, resolveu os problemas todos num ápice. Quanto à água, mandou-se instalar a respectiva canalização; para a energia eléctrica, permitiu-se que fosse abastecida através de um cabo em torçada pendurado em troncos de pinheiro, a partir do PT do Mercado; no que respeita aos esgotos, foi o construtor autorizado a construir uma belíssima fossa séptica, mesmo ao lado dos prédios.
Só que, rapidamente a fossa séptica deixou de ter capacidade para tanto efluente (as máquinas de lavar louça e roupa foram a desgraça das fossas). Por isso, a fossa encheu e tornou-se necessário despejá-la. Mas, ao fim de mais algum tempo, veio a perceber-se que tal não era possível; só se fosse todos os dias, o que custaria um balúrdio.

Ora, acontece que, mesmo em frente aos ditos prédios, havia um belo lameiro onde cresciam umas silvas. E, meus amigos, nem queiram saber com o silvado cresceu e verdejou, alimentado por todos aqueles nutrientes.
Obra do actual executivo municipal, a avenida já tem energia eléctrica (como as fotos documentam), rede de águas pluviais e rede de esgotos. Só falta completar a ligação à ETAR da bacia Norte, o que está para breve.
Contudo, de quando em vez, ainda cheira, lá isso cheira.

Conclusão:
Quando se faz, deve fazer-se bem!

26 de maio de 2005

A galinha da vizinha (II)

O Micróbio sugeriu que eu aqui colocasse a Senhora do Castelo, o Ex-libris de Mangualde. Pois cá está:

O Monte visto da avenida como o mesmo nome. À direita, os edifícios do Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado (Dr. Dino)

Aqui já se distinguem as "capelinhas" que marcam as "escadinhas" com os seus 365 degraus. A arquitectura do Hotel, da década de 80, provocou alguma descaracterização da paisagem.

Finalmente, a Ermida de Nossa Senhora do Castelo.

25 de maio de 2005

Surpreendido

Estupefacto, mesmo.
Nunca pensei que José Sócrates fosse avançar com medidas concretas (devo um jantar ao Mocho). Mas foi. E que medidas. É claro que falta conhecer a respectiva regulamentação e, mais ainda, resta ver se passarão na Assembleia da República (algumas das medidas só foram aplaudidas pelo PSD!!!). Todavia:

  • Aumento da taxa de IVA para 21%;
  • Aumento do imposto sobre o tabaco;
  • Aumento do imposto sobre os produtos petrolíferos;
  • Aumento da idade de reforma na função pública para 65 anos;
  • Cálculo do montante da pensão de aposentação na função pública segundo as regras do regime geral (que porrada!);
  • Nova taxa de IRS de 42% para quem ganha mais de 60.000€ (p.e. um casal de professores no 10º escalão – classe média);
  • Suspensão da progressão automática nas carreiras (p.e. professores);
  • Novas entradas na função pública segundo as regras do regime geral (p.e. professores)

Porra! É muito! Ao pé disto, o pacote laboral do Bagão Félix foi um bombom.

Mas… Mas então, depois de tudo isto, depois de ficarmos “de tanga”, o défice de 2005 só vai diminuir em 0,63%? Só?
O que é que nos não disseram? O que é que nos falta saber? Que despesas é que ainda aí vêm?

Coitadito


(na Visão de 25.05.2005, pag. 44)
no dia 24 de Abril, duas semanas antes da realização do ateliê em Su-Zhou, perto de Xangai, o BM faz marcha-atrás. «Caro Professor Louçã. Infelizmente, o (...) Conselho de Estado da China decidiu restringir o Workshop de Alto Nível em Maio a oradores estritamente académicos. Por isso, gostaríamos de retirar o convite que anteriormente lhe endereçámos. Es­peramos que, noutra ocasião, possamos vir a encontrar-nos. Desculpamo-nos por todos os inconvenientes que esta situação lhe possa ter causado. (...)»
Uma vez trotskysta...

A galinha da vizinha...

Há uns dias, referi que tinho ido à "baixa" tomar café (foi no dia da "nafatlina). O amigo e conterrâneo Mocho retorquiu, dizendo que em Mangualde não há "baixa". Efectivamente, só há "baixa" nas grandes cidades, o que não é o nosso caso. Todavia, temos um centro de cidade muito bem arranjadinho, excepto para aqueles que, vivendo cá, acham que tudo é uma merda e que as cidades e vilas vizinhas é que progridem.
Ora, como o Terras de Azurara tem a honra de contar com visitas de "estrangeiros" - alfacinhas, tripeiros e outros - vou aqui pôr umas fotos que fiz hoje. Foram recolhidas caminhando de poente para nascente ao longo do centro da cidade.
Por favor, façam os vossos comentários.

Rotunda "das mamas" que dá acesso ao Largo Dr. Couto. A estátua é obra de uma professora da nossa escola. É uma alegoria às mulheres e homens que trabalharam a terra e as máquinas (da indústria metalomecânica e têxtil) e contribuiram para o progresso da terra.

Largo Dr. Couto visto da Câmara Municipal

Largo Dr. Couto visto do lado oposto à Câmara (ao fundo com a Capela do Rebelo)

O Largo Dr. Couto funde-se com o Largo do Rossio. Aqui está a zona pedonal do respectivo jardim.

Largo do Rossio visto do lado descendente.

E para hoje, chega.

24 de maio de 2005

Défice

O Partido Socialista está a tentar fazer passar a ideia que o défice previsto para 2005, o tal valor de 6,83%, é da responsabilidade do anterior governo.
Os jornalistas, como já vamos ficando habituados, não vêem, ouvem, nem pensam. Mas é preciso lembrar que:
  1. O PS vai estar no governo mais de 75% do ano;
  2. O valor apurado já entra em conta com despesas, promessas do PS, que o anterior governo não faria, e que custam um balúrdio. Vejamos:
  • Manter as SCUTs sem portagens;
  • Manter os gastos na Saúde (o PS quer manter tudo como está);
  • Pagar os subsídios aos 150 mil desempregados a quem o PS prometeu emprego;
  • Pagar os 300€ mensais para os idosos.
Chega! Não mintam! Com o anterior governo os números não seriam estes!

Burka


A burka deve prejudicar a visão. Deve obnubilar a realidade. Ainda deve tornar mais difícil perceber porque é que um grupo de bestas terá raptado, e eventualmente assassinado, uma mulher que estava no Afeganistão, ao serviço da Care International, a desenvolver um programa de distribuição de alimentos e a ajudar cerca de 11.000 viúvas.
Que nojo!
O que mais me irrita é haver tipos no Ocidente a defender estes energúmenos. Ide berdamerda. Olhem, ide para o Afeganistão.

Vai uma aposta?


(no Público)
José Sócrates só vai anunciar paliativos. Vai ficar pelas generalidades, como habitualmente. Permanecerá guterrista. Não anunciará qualquer medida concreta. Quando muito, falará dos impostos sobre o tabaco e os combustíveis.
Medidas a sério, se as vier a tomar, só as virá a anunciar depois das eleições autárquicas.
Vai uma aposta?

23 de maio de 2005

Colaboracionistas


(no Público)
Morrem assim, como cães.
Colaborar com o Ocidente, desejar a liberdade e repudiar o medievalismo, é trair o Islão.

Educação Sexual (6)

Era meido-dia e qualquer coisa, estava eu a acordar, suavemente, quando tocou o telefone. Era um amigo que me disse: "Ouve a TSF que está a ser engraçado".
Assim fiz, e fiquei deitadinho a ouvir.
Era um debate sobre o problema da educação sexual na escola. Estava lá um senhor da tal Associação para o Planeamento da Família, uma do ME, outra do IPJ, e estava lá uma outra, que não sei quem nem o que é que representava, que se indignava com a "conversa" dos outros. Às tantas, avança em força:
- O senhor está a ver este livro que se chama "Para me conhecer, Para te conhecer" e que é para os 1º e 2º ciclos?
- Sim, é uma edição nossa, é da APF.
- Pois olhe, aqui na página tal (não fixei) diz assim: Deves ter em atenção que há coisas que podem ser conhecidas por diferentes nomes. Ter relações sexuais, vagina e pénis, podem ser conhecidos por f...r, c..a e c.....o!

SIM! A senhora disse mesmo. Leu tudo. Eu ouvi com estes dois que a terra há-de comer.
Só não escrevo as palavras porque tenho vergonha.
Provavelmente, se eu tivesse tido aulas de educação sexual, não teria qualquer problema em escrevê-las.

Eu sou um bocadinho marreta, mas não posso deixar de imaginar que, depois de uma aula destas, tudo será possível. Até mesmo "Ó professora, vá-se vai-te f....!".

22 de maio de 2005

Simão, diga

quando é que sentiram que seriam campeões? Foi quando ganharam ao Sporting?
- Não. Foi muito antes.
- Muito antes, como? Desde quando?
- Desde o início da época.

(agora mesmo na RTP1 - em serviço público)

Eu também já o sabia há muito tempo, mas desde o início da época... Querem ver que já tinha ficado escrito na acta desde o ano passado? Não seria inédito.

Intoxicado

Cof... cof... cof...
Fui "à baixa" tomar café. Impossível!
A naftalina das bandeiras e cachecois impregnou o ar. Irrespirável.

E o campeão é...

O COLINHO!


Houve-os para todos os gostos. Até mesmo hoje! Ficam aqui dois.

Educação Sexual (5)

Raramente concordo com ele, mas desta vez vou aqui reproduzir alguns excertos do Editorial de António José Saraiva no Expresso:
...
Por que razão se falará sempre de sexo às escondidas, em surdina, como se fosse um crime, em vez de ser objecto de conversas francas e de debates na sala de aula? Aparentemente esta argumentação é razoável. E, no entanto, não poderia estar mais afastada da realidade.
...
Há actividades que fazemos à luz do dia e em público - como comer - e outras que gostamos de fazer com recato. Comer é uma actividade eminentemente social: toda a gente convida amigos para almoçar ou jantar; mas não é normal fazer-se sexo à frente de outras pessoas.
Quer isto dizer que nem tudo o que faz parte da vida pode ser objecto da mesma abordagem.
...
Em tudo o que se diz e faz há gradações: há coisas de que falamos e que fazemos abertamente, outras menos, outras nada.
Nos anos 50, na Suécia, entusiasmados com as ideias colectivistas, os arquitectos projectaram casas-de-banho em que as sanitas se alinhavam à volta de uma sala e as pessoas faziam as necessidades à frente umas das outras. É claro que, ao fim de um tempo, verificou-se que a ideia era utópica - e arrepiou-se caminho.

...
(com a minha obstipação crónica, havia de ser um espectáculo)

Força Kylie


O Azurara faz votos de franca recuperação, para que esses 155 cm de maus caminhos voltem rapidamente a ficar "em forma".
O Azurara pensa que a Kylie seria muito, mesmo muito, boa professora de Educação Sexual.

21 de maio de 2005

FA Cup final

O Manchester United "esmagou" o Arsenal de Londres ... e perdeu.

Lá como cá.
Eles jogam pior, eles ganham

Sloganizer

Estou a testar.

generated by sloganizer.net

Tangas

Actualmente, a nossa tanga é parecida com este cuecão

Mas depois de Outubro, vai ser como este fiozinho

Tanga


(no Público)
Este meu ex-colega de colégio virá amanhã a Mangualde apresentar os candidatos a autarcas socialistas. Naturalmente dirá o mesmo que no Algarve: portagens na nossa futura A25, nem pensar!
Olh'ó imposto fresquinho. É pra todos!
(Hospital central já temos e bom. Foi começado nos tempos do betão (lembram-se) do Aníbal Cavaco Silva.)

De cuecas

Eu vi na televisão. Sadam Hussein de cuecas. Um prisioneiro de guerra, protegido pela Convenção de Genebra, exposto ao voyeurismo, envergando tão só umas cuecas. Degradante. Onde chega a crueldade dos americanos. Dar um cuecão ao senhor. Ao menos que fosse um slip, um boxer-short, uma tanga, um fio dental.
("tanga" é uma palavra proibida em Portugal. Pelo menos até às autárquicas)

Voltei atrás porque me assaltou uma dúvida: os coitados que são raptados pelos "insurgentes" contra a ocupação americana, não estão abrangidos pela Convenção de Genebra, pois não? É que esses coitados não são expostos, aos olhos do mundo, de cuecas. São mostrados a serem degolados! E, que me conste, não se tem dito que é degradante, pois não? Ná! Não devem estar protegidos pela Convenção.

20 de maio de 2005

Espirro (2)

A todos os que expressaram as condolências, venho informar, comovido, que ainda não foi desta.
Obrigado a todos.
Isto não passou do que sempre foi: um espirro!

Tortura e morte


(no Público)
Vejam bem as coisas que a imprensa nos faz saber:
  • Que soldados americanos torturaram e mataram dois prisioneiros;
  • Que os prisioneiros eram talibans;
  • Que uma comissão de inquérito escreveu mais de duas mil páginas sobre isto;
  • Que, no inquérito, a dita comissão terá concluído que um dos prisiomeiros estaria inocente;
  • Que se terá tratado de homicídio.
Comissões de inquérito, relatórios, imprensa livre, acusações de homicídio, enfim, tudo coisas próprias de um sistema imperialista, capitalista e decadente. É nisto que dá esta porcaria de ideia de liberdade.
Não há nada como um belo regime islâmico. Mas qual inquérito qual carapuça. Morreu, está morto. Ponto final. Quem foi, quem viu ... a p... que o pariu!

Espirro

Hoje (ontem) de manhã, dei um espirro tão grande que pensei que tinha "desenculatrado" uma costela ou uma coisa qualquer logo abaixo da mama esquerda. O que é certo é que fiquei tolhidinho de todo. Qualquer movimento representava uma horrível dor.
A custo, lá consegui chegar à escola. Muito direitinho, com movimentos lentos e pausados, enfim, um Cristo.
Um colega estranhou ver-me combalido, perguntou, e eu disse-lhe que não me podia mexer com aquela dor naquele sítio.
Tomei o meu café e, passado um pouco, o gentil colega voltou e disse-me: "anda daí que te levo ao Centro de Saúde". E eu: "Tá queto. Só lá há chatos". Mas a dor não havia meio de abrandar e lá me meti no carro dele.
Quando chegámos ao Centro de Saúde estava a mulher dele, enfermeira, à porta. Veio para mim, ar preocupado, pegou-me no braço, e levou-me directamente para uma sala da Urgência. Médico, tensão arterial, auscultação, perguntas, ... e então percebi!
- "Calma aí, pessoal. Não estou a ter nenhum enfarte!"
- "Ah, bem, é melhor ver, tens factores de risco..."
- "Porra, eu só espirrei forte e estalei aqui qualquer coisa que me doi como o c..."
Pois sim! Lá continuaram a investigar.
Claro que estava tudo bem, menos aquela dor horrível e incapacitante.
- "Enfarte não tens, mas podes estar a fazer um pneumotorax. Vais ao Rx!"
Claro que estava tudo bem, e até os meus pulmões de fumador compulsivo pareceram mais limpinhos.
Resultado: 3 "picas na peida" e fiquei quase bem. (agora está a começar a doer-me outra vez)
Vejam bem o que pode fazer um espirro...
Paguei 3 euros e qualquer coisa por um atendimento de 5 estrelas. E ainda dizem mal do nosso Sistema de Saúde...

Corrente

Bem, fui "apanhado" pela Sulista. Lá vai:

1. Qual o último filme que viste no cinema?
Million Dollar Baby. Espantoso.

2. Qual a tua sessão preferida?
Qualquer uma desde que seja depois de jantar.

3. Qual o primeiro filme que te fascinou?
Ben Hur. Sentado nos balcões (degraus) da Geral do Cine-Teatro de Mangualde.

4. Para que filme gostarias de te ver transportado(a)?
Assim de repente, 9 1/2 weeks. Até podiam ser mais semanas...

5. E já agora, qual a personagem de filme que terias gostado de conhecer um dia?
Talvez o Indiana Jones, ou até mesmo o James Bond.

6. E que actor(actriz)/realizador(a)/argumentista/produtor(a) gostarias de convidar para jantar?
A Sharon Stone. Mas podia trazer a Nicole Kidman e a Nastassja Kinski. Subentende-se que os anos deveriam ter poupado as ditas senhoras.

7. A quem vou passar isto?
À Estrela do Mar (que, felizmente, regressou), à Blueshell (em franca recuperação), e ao Fallen Angel (que é um jovem promissor).
Caso já tenham sido apanhados, farão o grato favor de indicar outros.

19 de maio de 2005

Educação Sexual (4)

Já assinei a petição.
Entrementes, fiquei com uma dúvida, que é a seguinte:
As minhas piadas sobre esta treta deste tipo de educação sexual eram de muito mau gosto, ou o "pessoal" não "postou" comentários por sentir um certo incómodo face ao que é o actual "politicamente correcto"?
Hem?

Hans Zimmer

Crimson Tide (O príncipe das Marés) - 1995

Educação Sexual (3)

- Afonso, vamos jogar ao "tocar"?
- Como é isso, Tátá?
- Então, tu tocas-me onde eu gosto de ser tocada e eu toco-te onde tu gostas de ser tocado. Como na aula. Topas?
- Ah, sim. Bora lá então! Onde jogamos?
- Pode ser ali atrás do Pavilhão B. Vamos lá.
...
- Então Afonso, não estou a fazer bem?
- Hummm ... Ehhhh ... É que não estás a tocar-me onde eu gosto de ser tocado.
- Então?
- Eu gosto é atrás!
- Ah, que pena. Assim não posso jogar contigo.

18 de maio de 2005

É MALDIÇÃO!!

Só o DEMO poderia ter evitado que aquela bola entrasse na baliza do CSKA e fosse entrar na do Sporting!
Porra!!!

Abéculas

Andam por aí uns tipos a dizer que o concurso de professores deste ano correu bem. Que os sindicatos não se queixam. E que, por isso, os professores vão deixar de "andar com a casa às costas".
De facto, há cada abécula neste mundo!
Ainda não lhes passou pela cabeça que os professores andam com a casa às costas PORQUE há um concurso (nacional, ou regional, ou distrital)?

Gestão de mercearia

Ouvi hoje (ontem) o secretário-geral da UGT defender a venda de património do Estado. Mas, muita atenção. Este dinheiro, o que provenha da venda de património, não é igual ao outro. Este é para financiar os grandes investimentos públicos (aeroporto e coisas assim). Não é para camuflar o défice, que deve ultrapassar os 7%. O dinheiro para fazer diminuir o défice, isto é, para pagar as despesas do Estado, esse virá dos impostos pagos pelos portugueses.
Isto é fantástico! Faz-me lembrar a história do merceeiro. Esse, tinha várias gavetas onde ia pondo o dinheiro. Para comprar qualquer coisa, só podia usar o dinheiro de uma determinada gaveta.
Conclusão:
Deve haver recurso a receitas extraordinárias, desde que não sirvam para iludir o défice.
Este homem deve ser proposto para Nobel da Economia.

(Quando me chamam burro, ficou mesmo muito bruto...)

Abaixo o governo


(no Público)
Este governo é um governo a soldo do capital.
Governa contra os trabalhadores. Agitando a bandeira do défice, essa obsessão que nos foi imposta pelo grande capital europeu, o governo prepara-se para uma série de ataques despudorados contra a classe trabalhadora. O caso da Bombardier é um exemplo flagrante. O governo virou as costas aos trabalhadores e recusou-se a subsidiar os postos de trabalho, enganando os trabalhadores com uma história rocambolesca acerca de expropriar as instalações da empresa.
Mas ataques mais graves se perfilam no horizonte. Congelamento de salários, congelamento das progressões nas carreiras, aumento dos impostos, despedimento de funcionários públicos, e cobrança de portagens nas auto-estradas, são alguns exemplos daquilo que o governo quer fazer para prejudicar os trabalhadores e proteger os interesses especulativos do grande capital.
Chega de governos de direita!
Durão, Bagão, Portas e Santana, todos para a rua, JÁ!!!

É pá, ainda são estes, não são?

17 de maio de 2005

Educação Sexual (2)

Na fila para as tostas mistas do bufete:

- Oi Marlene! Tudo bem?
- Oi Nádia, nem por isso.
- Então, já estudaste para o teste?
- Sim, já. Mas há lá uma coisa onde tenho dúvidas. A professora fez aquilo muito depressa, e eu estava a falar com a Vanda… e não percebi bem aqueles movimentos.
- Mas diz lá o que é.
- É aquela cena do sexo oral. É difícil. Estive a estudar pelo livro mas não percebi aquela coisa dos movimentos. Se lá calha isto estou tramada. Tenho negativa e o meu pai corta-me o Sábado.
- Olha lá, porque não falas com o Afonso? Parece que ele é bom nisso. O Gonçalo disse que ele lhe fez e muito bem.
- Boa ideia! Onde é que está o Afonso?

Café do Casino

Conheço razoavelmente Santiago de Compostela. Já lá estive algumas vezes. Mas nunca tinha almoçado no Café do Casino, no início da Rua do Franco, a caminho da Catedral.
Foi uma agradável surpresa. Serviço impecável, "nouvelle cuisine", afabilidade profissional, e excelente preço. A repetir!

Salon

Primer

Secundo
Y para postre, una tarte de chocolate como lo manda Dios.

Educação Sexual (1)

Entusiamado com a leitura daquela fantástica página 23 do Expresso (sem link), dei comigo a imaginar a seguinte aula num futuro próximo:

Diz a senhora professora de uma turma do 6º ano:
Meninos, hoje vamos continuar a aprofundar o assunto que iniciámos na aula anterior: conhecer as zonas do corpo onde gostamos de ser tocados e aprender a tocar-lhes. Hoje o trabalho é individual. Vamos começar. Já sabem o que têm de fazer. Vamos lá. Depressa.
(a professora circula pela sala observando os alunos)
Muito bem, Tátá, está ir lindamente. Está a gostar? Continue assim.
Zézinho, o que é que está a fazer. O menino está sempre distraído. Já na aula anterior fez a mesma coisa. Sempre a tentar copiar. Deixe lá a Tátá e trate de si. Por este andar, o menino nunca mais vai aprender a tocar ó ... a acariciar o seu órgão sexual. Vou cá chamar o seu progenitor para lhe dizer que tem de vigiar os seus trabalhos de casa.

16 de maio de 2005

Dejá vu

O Benfica adquiriu toda a lotação do estádio do Bessa para a bancada destinada ao público em geral. A compra dos bilhetes custou cerca de 600 mil euros ao clube de Lisboa, o que constitui uma fonte de receita recorde para o Boavista esta época.

120.000 contos! Nada mau para o final de época do Boavista. Mas poderiam ter conseguido melhor negócio. Bastava que o Boavista tivesse "pedido" para jogar noutro campo, como fez, aliás, o Estoril. Local óptimo, tendo em conta a lotação, seria mesmo a Luz. A receita seria ainda melhor. Ou será que nem foi preciso isso?

O golo

(republicado)
Só agora vi imagens do jogo e do golo.
Também vi o senhor Coroado, aquele da azia, dizer que não houve qualquer contacto entre os jogadores! Mesmo perante uma foto (SIC Notícias) onde se vê aquela cabeçorra preta encostada ao antebraço do Ricardo! Escabroso!
Tal como vaticinei, o Sporting não devia ter ido jogar à Luz. Para todos os efeitos, os 3-0 da falta de comparência equivaleriam ao 1-0. Mas o sistema estremeceria.

Panascas

Viseu, pela boca do senhor presidente Fernando Ruas, não quer ser a capital da homofobia. Ele até foi à manifestação dos panascas, numa demonstração de que prefere ser a capital gay do país.
Pelos vistos, deve haver muito abichanado em Viseu, e Ruas quer os votos deles. Mas, se lá houver muitos tipos como eu, vai ficar a perder. Eu, se lá votasse, sei em quem não votaria.

Dicas para ser melhor professor

Deu-as (dá-as) a Pró-Ordem, uma associação sindical (?) que intenta criar uma Ordem dos Professores(!!).
Está no Expresso.
A formação foi dada por uma astropsicóloga e uma terapeuta holística e energética, as quais, entre outras coisas, mandaram descalçar os professores formandos para, no escuro, gritarem com os braços erguidos.
Gritar apetece-me a mim! Gritar contra estas palermices que desacretitam a já tão debilitada classe profissional que integro.
Ó meus senhores da Pró-Ordem, A ORDEM DOS ENGENHEIROS, A DOS ADVOGADOS, A DOS ARQUITECTOS, A DOS FARMACÊUTICOS, A ..., FAZEM COISAS QUE DIGNIFICAM AS SUAS PROFISSÕES. Isto, que os senhores fizeram, é muito pior do que se a Ordem dos Médicos organizasse um seminário com um curandeiro do Mali para melhorar o "desempenho da profissão" médica.
Ora porra!

Triste, muito triste

Obradoiro


Choveu a potes durante todo o fim-de-semana na Galiza. Só parou de chover, exactamente, quando cheguei a Valença. Quer dizer, para além de já controlarem quase tudo em Portugal, os espanhois também já controlam a chuva. Isto está lindo! É nestas alturas que me apetece não voltar a Portugal. Era mais interessante atravessar o Rio Minho e entrar ... na Galiza do Sul!
De qualquer forma, o passeio devia ter sido realizado no sentido contrário. Se assim tivesse sido, teria dado o abraço ao Santiago antes do jogo.

14 de maio de 2005

ACAB


Amanhã, isto é, daqui a pouco - 6 da manhã - vou no passeio anual da ACAB - Associação Cultural Azurara da Beira. Destino: A Coruña (e não La Coruña).
Volto para a semana.

Bomba!


(amanhã no Expresso, ou on-line para os mais abonados)
Como?
Portagens em SCUT's?
Discurso da tanga?
Mas afinal quem é que está no governo? Não era suposto ser o PS?
Se fosse comigo, enviava a fotografia do senhor para a sede do PSD (ou seria do CDS?).

13 de maio de 2005

Bússola política francesa

Fui fazer este teste que topei na Elise. Deu assim:

Vous vous situez à droite.
Les partis dont vous êtes le plus proche (dans l'ordre) :
1. le Mouvement pour la France (MPF) de Philippe de Villiers
Le MPF est CONTRE toute constitution européenne.
2. l'UMP
L'UMP est en majorité POUR la Constitution européenne.

Está mal. Eu não sou de direita. Sou social-democrata. Ainda assim, como sou a favor da Constituição Europeia, ficaria pelo UMP. Curiosamente, a Union pour um Mouvement Populaire é o partido maioritário em França, e eu não sabia.

Grande Clube

À força nos estarem sempre a vender o peixe de que há 7 milhões de benfiquistas (agora parece que já são mais de 14 milhões, incluindo 3.423,781 moçambicanos e 721 indianos), até acabamos por acreditar que é o "grande" clube português.
Mas a verdade fria dos números não deixa margem para dúvidas: O Sporting é muito MAIOR que o Benfica!


(Revista Visão)
Comparem linha a linha. Então? Ganham-nos no número de títulos conquistados e devem-no ao Eusébio e ao tempo do Estado Novo. De resto...

Hans Zimmer

"Millennium" - 1992 (Série de TV)

Despesa em Saúde


Entre 1995 e 2002, consulado socialista, a despesa nacional em saúde quase duplicou!
É pena que a Visão não tenha incluído os números dos anos do governo PSD...
De qualquer forma, a líder deste campeonato é a ministra Maria de Belém. O JCD disse que esta coninha era um belo exemplar do nacional-paradismo. Eu acho que é uma lídima representante do nacional-despesismo.

Gilete

A Elise deu-me uma dica e eu fui ver. Lá estava, logo na letra A, esta Jolie Gilete.

(foto de http://www.famousandgay.com/)
Para os mais novos, que não são desse tempo, importa lembrar que as giletes tinham (têm) dois gumes. Tanto cortam de um lado, como do outro.
Mas a esta,... ai ... ai, perdoa-se-lhe tudo.

12 de maio de 2005

Certificado

de Aforro

Já nem me lembrava que o tinha.
A minha mulher, quando procurava documentos no meio da papelada, deu com ele. Tem a data de 01/12/1988 e foi-me dado pelo Sr. Dr. Mário Soares! Bom homem, sim senhor. Nesse ano, pagou o Subsídio de Natal à malta com Certificados de Aforro. A mim calharam-me 12.500$00.
Isto é para a malta mais jovem, que, provavelmente, não saberá que já houve austeridade mais austera que a austeridade dos dias de hoje, e que os socialistas também congelaram pagamentos ao pessoal.

(hoje vale, exactamente, 251,13€)

Contravalores (2)

Aqui está mais um exemplo do ataque aos heterossexuais. Ora leiam:
Esqueça-se a concepção tripartida "pai, mãe e filhos". O conceito de família na sociedade portuguesa há muito que deixou de caber no rótulo tradicional para se espraiar em muitos outras formas de organização familiar: desde homossexuais dos dois sexos que têm a seu cargo filhos de anteriores relações, a mãe e pais solteiros, passando por casais que conjugam filhos de anteriores uniões com filhos nascidos no seio da nova relação.

Família? Ainda por cima tradicional? Que coisa "careta". Seja moderno. Ouse formar uma nova ... família!

Até se descobriu que o conceito de família não vem definido na lei portuguesa, embora o direito a contraí-la esteja consagrado no artigo 36.º da Constituição. Além disso, a palavra "família" é referida por diversas vezes nas leis portuguesas sobre adopção, maternidade, segurança social e educação. (leia o resto aqui)

E, já agora, veja esta:
Clara tinha 17 anos quando contou à mãe que estava apaixonada por uma colega de turma. "O querer ser aceite" pela sociedade levou a que, mesmo perante o esboço de uma sexualidade diferente, Clara estivesse com os dois homens que viriam a ser pais dos seus filhos. Hoje com 28 anos, Clara vive com os pais, os dois filhos e duas irmãs. Lá em casa sempre se falou de Isabel, sua companheira há dois anos, da mesma forma descontraída como as irmãs falam dos namorados.
Continue a ler.

Contravalores (1)

O Tribunal Constitucional veio dizer que ter uma relação sexual com adolescente é igual, quer aquela relação seja homo, quer heterossexual.
No meu entender, isto não representa mais do que um novo passo na promoção da homossexualidade, e fico apreensivo. É que, por este andar, e como muito bem aqui disse o Micróbio, qualquer dia ainda se torna obrigatório ser homossexual!
Quero aqui confidenciar-vos que detesto paneleiros. Sinto, mesmo, uma certa náusea quando imagino a "cena". Curiosamente, não acontece o mesmo quando imagino duas fufas. Vejo-me logo no meio delas a "bombar".
Isto não deve ser normal. Se calhar tenho de procurar ajuda médica.

11 de maio de 2005

IRS - 2

Então é para aqui que irá o meu IRS?

(Público)

É para construir o famoso aeroporto e dar emprego a uns quantos imigrantes?
Que dinheiro tão mal empregado!

10 de maio de 2005

IRS

Estou a preencher os impressos e a ficar nervoso.
É sempre o mesmo todos os anos.
Dar conta do balúrdio que já paguei, do que ainda vou pagar, e do que outros tipos não pagam, faz-me mal à saúde.
Eu devia ter ido para estucador, canalizador, electricista, ...
Jogador de bola também dava, mas faltava-me o jeito.
Ainda fico mais nervoso quando me assalta a inevitabilidade do PS aumentar os impostos para continuar a gastar à tripa forra.
Porra!

Guimarães


Se calhar é por causa disto que o PS anda a poluir Lisboa com os cartazes do senhor Guimarães.
Coitado do senhor. Tão culto, tão "in", tão bem, tão... tão... e depois, isto! Ingratos!